Andanças

Portugal dos Pequenitos

Uma das partes boas de viajar com filhos pequenos é que rapidamente eles esquecem das viagens e podemos repetir que será novidade na mesma.

Apesar do último feriado da implantação da república ter calhado no sábado, não deixamos de usar esse fim de semana tão especial para dar um passeio, e pouco mais de um ano depois voltamos a Miranda do Corvo e ao Parque Biológico da Serra da Lousã, do qual não vou repetir o relato, pois o anterior diz tudo sobre a experiência excelente que tivemos, mais uma vez.

A novidade foi que desta vez estava melhor tempo e aproveitamos para regressar por Coimbra e parar no Portugal dos Pequenitos, onde tanto eu quanto a Irina não íamos há muito, muito tempo, e do qual a única memória que eu tinha é que aquilo parecia-me ser enorme.

Lá está, éramos… pequenitos, e à escala tudo parece grande, hoje em dia surpreendeu-nos a facilidade com que em um par de horas (esticadas) vemos e revemos todo o espaço.

Ainda assim, não deixa de ser uma boa experiência e um espaço muito engraçado e com fama merecida, as crianças adoram deambular pelas diferentes casinhas, igrejas castelos feitos à medida deles. Algumas notas principais:

  • Sim, é Portugal dos Pequenitos, apesar de toda a gente dizer que é dos Pequeninos.
  • A parte da entrada, correspondente às antigas colónias, já não faz grande sentido, com uma imagem completamente imperial/colonialista, com uma estereotipagem brutal dos negros selvagens; no entanto, também não creio que faça sentido mudá-la, pois é tão só uma coisa datada, e o verdadeiro público-alvo, as crianças, não verá as coisas por essa lente.
  • O preço que cobram pelo comboio que dá uma mísera voltinha pelo quarteirão da entrada é um assalto, deveria estar incluído na entrada, que sendo aceitável, não é propriamente barata.

Em suma, não é nada de extraordinário, mas tem a sua mística própria e vale sempre a pena.

Standard
Andanças

Alqueva

No mês de Agosto costumamos tentar repartir as férias entre as “nossas” praias da Caparica (que finalmente tem estado em clima de verão) e alguns dias em sítios menos repletos de turistas.

Desta vez a escolha foi a zona em torno do Alqueva, o maior lago artificial da Europa Ocidental. Ficamos na freguesia de Monsaraz, no hotel Vila Planície, um excelente sítio para descansar, com um preço bem razoável para a época altíssima, piscinas separadas para adultos e crianças e pessoal extremamente simpático. Tem também uma parceria com um restaurante muito bom que fica mesmo ao lado, o Restaurante Sem-Fim, um antigo lagar convertido em restaurante, quase um museu pelo muito que conserva do seu aspecto original.

Em Monsaraz há várias coisas a destacar; a praia fluvial e o centro aquático, pequeninos mas muito bem cuidados e organizados, com uma infra-estrutura que é um verdadeiro exemplo do que deve ser uma praia a todos os níveis: limpeza, acessibilidade, apoios, espaços, tudo é agradável, a beleza natural é incrível, a temperatura da água é excelente e a própria praia em si é muito boa, ao contrário de outras praias fluviais não traz dificuldade nenhuma a nível do solo, lodos e afins.

Há também o Castelo, um verdadeiro miradouro privilegiado para a cidade, o Alqueva, o Guadiana e a fronteira com nuestros hermanos, ruas impecavelmente cuidadas e diversos sítios onde comer e beber à grande.

A cereja no topo do bolo foi o Observatório do Lago Alqueva, uma excelente surpresa. O observatório faz parte da reserva “Dark Sky” do Alqueva, certificado como um dos melhores locais do mundo para observação de estrelas; além de por si só o céu já providenciar um espectáculo inesquecível, ainda há este observatório com um telescópio gigantesco que nos permite ver planetas, luas e até uma galáxia vizinha com nitidez. Fiquei verdadeiramente embasbacado com a beleza e a limpidez do céu, não estava à espera de terminar uma viagem ao Alentejo com tamanha viagem pelo universo.

Infelizmente por mais que estivesse entusiasmada, a Carol só aguentou até às 23 e pouco, e só conseguimos ver através do telescópio Júpiter e Saturno, mas ainda assim valeu muito, muito a pena, e de certeza que havemos de lá voltar.

Visitamos ainda outra praia fluvial do mesmo estilo da de Monsaraz, inaugurada recentemente e muito bonita e agradável, na cidade vizinha de Mourão, fizemos a clássica jogada de ir abastecer o carro a Espanha (Villanueva del Fresno) e regressamos pela mítica Évora para abastecer-nos a nós próprios.

Definitivamente, sítios a revisitar.

Standard
Andanças

Barcelona

A última etapa desta nossa viagem de verão foi na Catalunha; com a (semi) volta que demos à ilha não fazia sentido voltar para Cagliari, tendo Alghero um aeroporto ali à mão de semear (a ilha tem três aeroportos, além dos já referidos, também se voa de e para Olbia). Estando Barcelona logo ali do outro lado do Mediterrâneo e mais na direcção de Portugal do que a Itália continental, decidimos juntar o útil ao agradável e conhecer mais uma emblemática cidade.

Não pernoitamos por lá, mas deu para aproveitar bem o dia, porque o nosso voo de Alghero para Barcelona foi logo pela manhãzinha, e o regresso para Lisboa só estava marcado para as 21 (e ainda viria a atrasar mais, como tem sido apanágio da TAP – Take Another Plane).

Desta vez deixamos as bagagens logo no aeroporto, que tem um serviço bastante prático para o efeito, apesar de algo caro: 10€ por cada item, independentemente do tamanho dos mesmos, com desconto de 25% acima de 4 itens. Acontece que tínhamos 2 assentos automóveis de 10€ que compramos no hipermercado para fintar as taxas absurdas do rent-a-car (cerca de 150€ por assentos do mesmo nível), e obviamente não íamos pagar o que eles valiam para guardá-los por algumas horas. Optamos por deixá-los debaixo de uns bancos de uma sala de espera, e quando regressamos à noite lá estavam eles, intactos à nossa espera. Fácil.

A impressão com que ficamos do aeroporto e dos sistemas de transporte de Barcelona é diametralmente oposta à de Roma: o sistema de Metro funciona extremamente bem, está completamente integrado no aeroporto em si (que é gigantesco), e é tudo muito bem sinalizado e com ar renovado. Começamos a visita na Plaça de Catalunya, descemos a famosa e interessantíssima La Rambla, onde comemos umas tapas que nos souberam pela vida (tendo saído de Alghero às 7 da matina, a fome era negra), e aqui descobrimos também o nosso local favorito do dia, de longe: o mercado La Boquería. A beleza das bancadas, a variedade e qualidade de comes e bebes por baixo custo, tudo ali me encantou, e via-me facilmente a ir lá todos os dias, se estivesse por perto.

Como nem tudo são rosas, tanto no Metro quanto no mercado vimos dois furtos de carteiristas, o que nos deixou meio apreensivos para o resto do dia; em cerca de 7 horas a passear na cidade, 2 furtos dá uma média… “interessante”.

Fizemos uma caminhada igualmente épica e inglória até ao Parque Guell, do qual só vimos o exterior, porque não tínhamos marcação e as entradas estavam completamente programadas e cheias, com a primeira a acontecer para dali a muito mais horas do que a as que estaríamos dispostos a esperar, com o calor que estava. Dali um MyTaxi até La Sagrada Familia, que está/estava em obras, mas que não deixa de ser uma obra impressionante.

Ficou faltando (entre outras coisas, obviamente) a zona do Porto Velho e de La Barceloneta e a sua praia, que ficarão para outras andanças.

Standard
Andanças

Itália – Sardenha – Alghero

Alghero foi a última etapa do nosso périplo pela Sardenha, e posso dizer que foi um bonito fecho.

Tendo talvez as piores praias de que desfrutamos na ilha (água ligeiramente mais fria, mais escura, e mar mais revolto), mantém ainda assim uma média elevada, e compensa largamente com o encanto que a cidade em si tem.

O primeiro embate é meio estranho, porque os bairros da entrada da cidade são confusos, de estilo desconexo e até meio degradados, mas toda a zona costeira e principalmente o seu centro histórico emanam uma atmosfera bastante diferente do resto da ilha; mesmo que alguém lá caia sem imaginar que as suas origens são catalãs (antigamente era chamada de “Barceloneta Sarda”), sente logo pelo estilo que algo ali divergiu em tempos.

A melhor experiência gastronómica que tivemos também foi aqui; tentamos primeiro o mais afamado Mabrouk, mas infelizmente não conseguimos reserva para as duas noites em que lá estivemos. Felizmente, e apesar das expectativas estarem em baixo pelas reviews medianas no Trip Advisor e no Google, o Restaurante Mirador foi um excelente surpresa, com marisco e peixe fresquíssimos e elaborados, e uma cozinha agitadíssima digna de reality show culinário (si chefe!). Até o menu das crianças tinha um toque de sofisticação que tornava uns simples panados (se não me engano) em algo bastante apetecível.

Cereja no topo do bolo, os gelados do Igloo, uma pequena cave em que um mestre de gelados com um estilo de cientista maluco serve verdadeiras pérolas artesanais, e faz a delícia dos putos com um também artesanal caixote de lixo falante (!) à entrada.

Nota também para o sítio onde ficamos, um antigo convento tornado em turismo rural familiar, o Alghero Resort Country Hotel muito low profile em comparação com outras opções na cidade, escondido nos arredores (mas a 5 minutos de carro) e com uns hosts espectaculares, que fizeram tudo para que nos sentíssemos em casa, inclusive abrindo a porta da cozinha quando saímos no último dia às 7 da manhã para um pequeno-almoço antecipado com o (ainda assim muito) que estava disponível a essa hora, antes do buffet.

Da Barceloneta Sarda partimos para a verdadeira Barcelona, para uma curta escala antes do regresso a casa.

Standard
Andanças

Itália – Sardenha – San Teodoro

De Villasimius até San Teodoro, no noroeste da ilha e bem próximo à famosa Olbia, ainda são 250km de distância e mais ou menos 3h de caminho, porque parte dele não é em auto-estrada, mas em sobe e desce, e em curvas e contra-curvas. A vantagem é a beleza própria das inúmeras verdes serras que vamos cruzando, a desvantagem o enjoo dos co-pilotos familiares. Tudo superável.

Pelo caminho afora fomos confirmando algo que já tínhamos sentido no sul: a quantidade abismal de borboletas que há em toda a ilha. Nunca vi tanta borboleta na minha vida. Espectacular.

Falando em natureza,também nunca tinha visto toda uma região com uma preocupação ambiental tão forte: em todos os sítios por onde passamos, havia imensos eco-pontos, avisos para separação e respectivas multas, sacos bio-degradáveis para o lixo orgânico (devem ser obrigatórios por lei, porque qualquer tasco de vão de escada tinha), impecável.

Como saímos cedo de Villasimius e o check-in em San Teodoro era só a partir das 15, e queríamos explorar o máximo de locais (e praias) possíveis, decidimos parar para refrescar mais ou menos a meio, numa praia em Bari Sardo. O caminho até lá foi tortuoso, e fez-nos questionar várias vezes se estávamos realmente em algum lugar “civilizado”, mas valeu absolutamente a pena, porque culminou numa praia gratuita (grande parte dos estacionamentos das praias famosas são pagos, ainda que com valores acessíveis), calma e, mais uma vez, com uma água espectacular.

À imagem de Villasimius, San Teodoro é mais um vilarejo simpático com bastante escolha de praias, sendo a mais famosa a Spiaggia La Cinta, bela, extensa, mas também a mais povoada que encontramos na ilha, e a única em que tivemos que andar um bom bocado até conseguirmos estender a nossa toalha.

Seguindo a mesma receita de Villasimius, encontramos outra vila bem organizada em que as principais vias são cortadas ao trânsito à noite, sendo que aqui havia uma escolha ainda maior de restaurantes, bares e feiras de artesanato e de “variedades”. Foi também o único sítio em que comemos todas as noites no mesmo restaurante, Il Mangiatutto, de tanto que gostamos da qualidade face ao preço, e da simpatia do pessoal; pizzas, massas, peixe, marisco, tudo delicioso, e para finalizar em grande e vincar na memória de vez, a Carolina deixou lá o seu segundo dente de leite, o que gerou uma festa imensa dos funcionários e dos comensais em geral!

Mais uma vez, partimos com o amargo de boca de não ter tido nem sinal de flamingos. Fica pra pensar. A próxima e última paragem nesta ilha foi a belíssima cidade histórica de Alghero.

Standard
Andanças

Itália – Sardenha – Villasimius

Depois de uns dias intensos em Roma, partimos num voo nocturno para Cagliari em busca de momentos mais relaxantes; Cagliari é a capital da Sardenha e possui um dos 3 aeroportos da ilha, e a nossa ideia foi partir dali e dar mais ou menos a volta, ficando 2 ou 3 dias em cada sítio.

Como tivemos que largar o apartamento de Roma cedo e o voo era só à noite, deixamos as bagagens nos cacifos automáticos da Stow Your Bags, próximos da centralíssima estação Termini. O serviço é muito prático e com um preço bem acessível comparado com o oferecido pela maioria destes prestadores, que optam muitas vezes por cobrar por item; aqui é enfiar tudo o que couber nos cacifos pelo mesmo preço (e cabe lá muita coisa, são gigantes).

Ainda ponderamos fazer uma viagem de ferry, mas os voos eram tão rápidos e acessíveis (menos de uma hora, cerca de 100 euros para os 4) que rapidamente abandonamos a ideia. Ainda que curta, a viagem acabou por ser meio atribulada, porque partimos com algum atraso e o piloto resolveu dar uma de acelera para compensar.

Chegamos à ilha já perto da meia-noite, agarramos no carro e pernoitamos num hotel próximo do aeroporto, para não fazer uma viagem longa às tantas da madrugada (de Cagliari até Villasimius ainda é cerca de 1h de caminho).

Na manhã seguinte a ideia era conhecer Cagliari e seguir caminho, mas a ressaca de refrescar era tanta que só conhecemos mesmo Poetto, a principal praia da capital, que se estende por cerca de 8 km e que é um bom cartão de visita do que valem as praias da ilha: temperatura à volta dos 24ºC, aquele azul clarinho maravilhoso e uma vista incrível das colinas que a rodeiam.

Depois de refrescar e abastecer partimos então para Villasimius, que excedeu em tudo as nossas expectativas. Começou pelo alojamento, o apart-hotel Residence Fenicia. Aquilo que pagamos em comparação a outras opções que tínhamos visto não fazia antever que era um local tão incrível, dos melhores onde já tivemos o privilégio de estar; vista espectacular, staff familiar, e acesso directo e privilegiado para a praia de Simius, que é simplesmente magnífica, e extensa o suficiente para estarmos completamente à vontade.

A vila de Villasimius também é bastante simpática, sendo que à noite as vias principais são interditas ao trânsito automóvel (um padrão que vimos repetido pela ilha fora) e há bastante comércio, restauração e movimento em geral.

Apanhamos uma ligeira desilusão com os famosos flamingos, dado que… não vimos nenhum. São um dos símbolos mais falados da ilha e estávamos supostamente num local e época privilegiados para conhecê-los, mas ou esconderam-se bem ou também tiveram uns voos atrasados. Fica para a próxima.

No próximo post seguimos mais para Norte da ilha, em San Teodoro.

Standard
Andanças

Itália – Roma

Neste ano o nosso Verão começou na Itália, mais concretamente na “cidade eterna”, a sua milenar capital Roma; foi a primeira etapa desta viagem que tinha como principal objectivo desfrutar da beleza e das praias da ilha da Sardenha, de que vou falar no post seguinte.

Enfatize-se o “Verão” do parágrafo anterior, pois aterramos bem no meio da vaga de calor que atacou o centro da Europa: o termómetro andou sempre à volta dos 36-38 graus (!), o que dificultou um pouco os passeios que tínhamos planeado, mas ainda assim deu para conhecer alguns dos seus pontos principais.

Com esse calor todo, malas e crianças, optamos por apanhar um táxi no aeroporto de Ciampino, e aí tivemos um primeiro impacto negativo: supostamente o serviço de táxis do aeroporto é regulado e controlado, mas deparamo-nos com uma autêntica máfia. Há um preço de tabela de 30€ do aeroporto para o centro, sendo centro tudo o que esteja dentro da muralha aureliana. Ora, o apartamento que alugamos estava claramente no centro, o que era visível em todos os mapas que estavam escarrapachados na praça de táxis, mas os motoristas insistiam que não e que só por 50 nos levavam. Depois de algumas negociatas, lá apanhamos uma que fez o “favor” de nos levar por 40. Va bene. Depois disso, foi sempre pela app do myTaxi (agora FreeNow).

O segundo impacto já foi melhor, porque o apartamento era impecável, e inserido num bairro (Testaccio) bem localizado e bastante típico, ainda pouco “turistizado”, próximo q.b. de um metro (Pirâmide, onde está a pirâmide/túmulo de Caio Céstio), com um excelente mercado local e com o mais badalado bairro de Trastevere logo a seguir ao rio.

Infelizmente não conseguimos ver o Vaticano, porque no dia em que planeamos fazê-lo havia bastante disrupção devido a uma greve dos transportes. O Metro de Roma é barato e, apesar de ter apenas 3 linhas, prático q.b. (100 minutos por 1.5€, gratuito para a criançada com menos de 10 anos), mas tanto o metro quanto as estações estão (em geral) bastante mal-cuidados e são um verdadeiro buraco sufocante quando está calor.

Vimos o colosseo só de fora, porque as filas para entrar eram intermináveis e estavam paradas; a entrada é controlada e nos altifalantes era anunciado que ainda ia demorar algumas horas, incomportáveis com os tais quase quarenta graus de temperatura. Para furar a fila com um guia tínhamos que deixar lá um rim, portanto ficou para a próxima. Mesmo de fora, dá para ficar arrebatado com a imponência da obra.

Algo que ainda assim ajudou muito a suportar as caminhadas que fomos fazendo são as 2554 (!) fontes de água potável que a cidade tem, resistentes do tempo do Império, com água fresca sempre a correr para beber ou molhar carecas suadas como a minha.

Passados dois dias, saímos de lá com sentimentos mistos.

De positivo:

  • As partes históricas (Coliseu, Panteão, Fórum Romano, a mais “recente” Piazza di Spagna e os Spanish Steps), além de muito bem conservadas, impressionam
  • Autenticidade dos bairros e dos romanos, em grande parte fiéis aos estereótipos (ex. falar alto e com as mãos)
  • Esperava que fosse só fama, mas os gelatos são mesmo espectaculares, em todo o lado, não comi um único gelado ruim!

De negativo:

  • As greves e confusões nos transportes que apanhamos, mas deu para nos sentirmos em casa 🙂
  • Sobrelotação de turistas, mas está na época
  • Sujeira em geral da cidade, miséria (muita, muita mendicidade)

Fica o compromisso de ver tudo com mais calma num Inverno futuro, até porque atiramos todos a moedinha na Fontana di Trevi, o que significa que lá teremos de voltar.

Standard
Andanças

Munich

Nos últimos meses fui a Munique duas vezes, em trabalho (a sede da Sky Germany fica em Unterföhring), mas como é habitual neste tipo de viagens, tipicamente estou lá por períodos de um ou dois dias e não se propiciam grandes passeios.

Na primeira viagem, a única coisa que consegui foi ir até à Marienplatz, a praça principal da cidade, ver o mercado de Natal… a fechar (por lá tudo fecha muito cedo), e comer o famoso Schweinshaxe, um joelho (ou uma junta, sei lá) de porco. Gostei bastante, não tão exótico quanto a descrição possa fazer parecer, é um pedaço de porco assado durante algumas horas, com uma crosta bem crocante e um interior semelhante ao “nosso” leitão.

Joelho de Porco @ Haxnbauer

Na segunda viagem fui com um colega mais “batido” por aquelas bandas e já conseguimos fazer um roteiro bem interessante; primeiro jantamos com um colega alemão num local bem típico e menos tourist-trap que o anterior, a Gasthaus Weinbauer; comemos um Kaiser Schnitzel, que é essencialmente um panado, mas sem dúvida o melhor panado que já comi. Nunca percebi bem a pancada de ter um panado como o prato típico (porque, lá está, um panado… é um panado), mas este tinha uma crosta de Pretzels e um molho de mostarda doce que o tornavam bem interessante.

Terminamos esse jantar com um Schnapps de avelã, com os corpos servidos nos cornos de um veado. Pode parecer meio cruel, mas aprendi também nessa noite que os cornos caem naturalmente de ano para ano e são o tecido que cresce mais rápido no reino animal (novo passatempo: naveguem nos vídeos de crescimento de cornos de veado no youtube e contemplem.)

De seguida, partimos de outra praça famosa, a Odeonsplatz, de onde arrancou o Beer Hall Putsch, a primeira tentativa de golpe de estado por parte do Hitler; no seguimento do fracasso alguns dos seus partidários foram mortos e outros presos, incluindo ele próprio. Nessa estadia na prisão ele escreveu o Mein Kampf, saiu por bom comportamento em 9 meses e decidiu enveredar pela via democrática em vez da luta armada. O resto é história.

Por fim, terminamos a noite na Hofbräuhaus, uma cervejaria com um historial tremendo, fundada em 1589 e que, apesar de notoriamente “turistizada”, tenta ser um ex-libris da tradição bávara, com comida típica da Baviera, banda ao vivo a tocar música tradicional durante todo o dia e, acima de tudo, não sei se servem outros tamanhos, mas só vi canecas de cerveja de 1 Litro (e uma imensidão de turistas arruinados). Fora isto, é tão somente também o local onde se realizou a primeira reunião do partido Nazi, numa sala meio escondida no terceiro andar da cervejaria. Não é propriamente escondida, mas não é algo que seja publicitado.

Costumo abstrair-me um bocado do que se passou, mas confesso que desta vez causou-me um certo arrepio estar nestes locais e visualizar o tipo de coisas que ali se passou.

A explorar mais, em ocasiões futuras.

Standard
Andanças

Grécia – Santorini

Ao contrário de Naxos, de Santorini já tinha ouvido falar bastante e tinha definido como paragem obrigatória nesta passagem pela Grécia; há uns anos atrás trabalhei com um grego que me disse que se tivesse que escolher uma das “suas” ilhas para visitar que fosse esta. Assim o fizemos e não nos arrependemos: por mais turística e repleta de gente que esteja (que até nem foi o caso nesta altura), a ilha da Santa Irini é de uma beleza absolutamente arrebatadora, desde o primeiro momento em que lhe deitamos a vista.

O porto de Athinios (onde atracam os serviços de ferries) dá logo uma bela impressão do que virá a ser o resto: um pedacinho de asfalto encrustado num declive muito íngreme de rocha vulcânica cheia de cores (como em boa parte da ilha), de onde saímos após uma subida alucinante, cheia de curvas e contra-curvas e rasgos de belíssimos panoramas marítimos. Chegamos até ele através da Blue Star Ferries, depois da Hellenic Seaways ter dado banhada e cancelado os barcos em que era suposto chegarmos e partirmos.

Fora esta, qualquer viagem que se faça nesta ilha é uma oportunidade para ficar de boca aberta com os imensos pontos perfeitos para as fotografias: quando achamos que encontramos a melhor vista, andamos mais 20 minutos e já estamos em outra ainda melhor. Não há como não destacar Oia, sendo que fotos e palavras não chegam para descrever o quanto me surpreendi com esta vila: ia com um certo preconceito por achar que era um local muito “retocado” e demasiado polido para turista ver, mas é sem dúvida um dos locais mais bonitos onde já estive. Nota negativa apenas para a exploração que é feita aos burros: é uma atrocidade os animais passarem o dia a carregar turistas (e a levar paulada dos donos) por uma imensidão de escadas, apenas por graça, pois existem alternativas  (teleférico, carro… caminhadas!).

Optamos por ficar em Kamari, lugar de praia (de calhau, mas de água boa), próximo do aeroporto, bastante plano e com tudo ao pé. Ficamos no ApartHotel Zacharakis Studios, que seguia bastante a onda de hotel familiar do anterior, com um dono muito conversador e extremamente prestável.

Tivemos uma sorte mista com o clima nos dias em que lá estivemos: se por um lado não ter estado demasiado calor permitiu-nos não sofrer muito nos passeios que fizemos, ter havido chuva a sério e bastante vento no seguimento em um dos dias levou-nos a pensar que um dos nossos planos sairia frustrado: o de fazer um tour de barco pela ilha e pelo vulcão vizinho.

Felizmente a coisa melhorou e no nosso último dia tivemos direito a isso: os tours de barco não são propriamente baratos, mas valem muito a pena: temos perspectivas espectaculares da ilha, ficamos a conhecer melhor a sua história, paramos nos melhores (e mais isolados) sítios para saltar do barco e nadar e tipicamente incluem uma refeição preparada pela tripulação (o típico churrasco de souvlakis/espetadas e saladas, que cai sempre bem). Estivemos mesmo, mesmo para marcar com antecedência no getyourguide.com, mas o meu instinto levou-me a arriscar e marcar por lá e deu certo; saiu-nos por quase metade do preço (a tal lábia do dono do hotel levou-o a convencê-los a não cobrar nada pelas crianças quando ligou a fazer a marcação) um tour semi-privado (10 pessoas a bordo).

Por ser um local mais turístico, devo dizer que não comemos tão bem nesta ilha, mas há um sítio em Kamari que segue o conceito de Mezze (basicamente tapas/petiscos gregos) de uma forma espectacular: chama-se Pinakio, e garantam que façam uma reserva no dia anterior, porque à primeira tentativa batemos com a porta na cara. Bons petiscos, muito boa onda.

O regresso para Atenas teve que ser de avião, na Sky Express, num bi-motor ATR42. Combinando a confusão no aeroporto de Santorini (que é pouco mais do que um barracão), o atraso que o voo teve, a proximidade com a partida do voo de Atenas para Lisboa, o porte do avião e o vento que estava resultaram numa experiência… diferente e no mínimo interessante, para ter mais algo para contar, mas a bem do vosso coração, recomendo que marquem um barquinho e que seja com uma folga maior.

Standard
Andanças

Grécia – Naxos

Conforme tinha escrito no post anterior, queríamos desfrutar por alguns dias de um lugar mais calmo e com boas praias para torrar, e Naxos revelou-se uma escolha acertada nesse sentido. Confesso que nem sequer de nome conhecia esta ilha (a maior das Cíclades e, de acordo com a mitologia, onde Zeus nasceu) até há bem pouco tempo, mas descobri-a num site ao qual incontornavelmente vamos parar quando começamos a pesquisar sobre férias na Grécia: o do Santorini Dave.

Como o nome indica, ele é um apaixonado por Santorini mas não só, é um entusiasta de viagens em geral e da Grécia em particular, e a ilha que ele considera ser a mais “family friendly” é precisamente esta. Spot on. Chegamos até lá através de um ferry da Hellenic Seaways, numa viagem de mais ou menos quatro horas absolutamente tranquila, tanto pelo conforto do bicho quanto pelas facilidades a bordo (se forem em época baixa, como nós, paguem apenas a classe economy, porque depois deixam-vos sentar em qualquer lado), mas não recomendo esta companhia, pois cancelaram-nos os barcos de e para Santorini mesmo em cima da hora (no post sobre Santorini já falo sobre isto em mais detalhe).

As meras viagens de ferry entre ilhas são por si só passeios que valem a pena, pois obtém-se uma perspectiva bem interessante da “vizinhança” e da paisagem de várias delas, e o desembarque por via marítima tem todo um outro encanto que não existe no de via aérea.

Optamos por alugar carro na ilha, “orientado” pelo Stravos, o dono do nosso hotel, o Anatoli Hotel; é um hotel muito simples e familiar, com a família que o gere revelando simpatia e atenção extraordinárias. Diria que o carro não é absolutamente indispensável mas é bastante útil para explorar a ilha, que não é tão pequena quanto isso e, apesar de ter excelentes praias um bocado por todo o lado à mão de semear, tem as melhores em sítios mais ou menos distantes ou isolados a nível de transportes. Faz-se, mas com maior esforço.

Todas as praias são de águas calmas e areia “como deve ser” (ao contrário de outras ilhas com pedra/areia preta), com bastante espaço para estar à vontade e bem servidas de organização (chapéus, bares, restaurantes) quando assim convir; normalmente nem sequer se cobram pelos chapéus de sol, bastando consumir qualquer coisa nos bares de apoio, por mínima que seja. A nossa preferida foi sem sombra de dúvida Plaka; a limpidez, a temperatura da água e a vista para a ilha de Paros é em tudo semelhante às restantes, mas a calma e a envolvente em redor fazem a diferença. Agios Prokopios leva uma menção honrosa (e é a praia da foto que ilustra o post).

Tivemos bastante sorte com o clima, pois apanhamos sol e calor abrasador em todos os dias excepto num, e nesse aproveitamos para explorar um bocado mais a pé os meandros antigos da capital (Hora), que possui bairros muito interessantes do tempo em que estavam sobre domínio Veneziano (incluindo um castelo dessa era), a Portara, a porta do templo inacabado de Apolo, que tem mais de 2500 anos e é um bocado o ex-libris da ilha e das primeiras coisas em que reparamos ao lá chegar, e o vilarejo de Apollonas, do outro lado da ilha e que tem um recato um bocado menos turístico e ainda mais pacato.

Tenho que fazer menção a um restaurante, pois foi onde fomos jantar todas as quatro noites, sem excepção, o To Elliniko; por mais que quiséssemos experimentar outra coisa, a Carol ficou encantada com ele e quis lá voltar sempre, o que nunca aconteceu com nenhum restaurante que não o McDonalds, portanto aproveitamos a deixa e não contrariamos. Excelente ambiente (o restaurante é todo em esplanada ao ar-livre), dono e staff super-simpáticos e com pratos muito bons, dos quais destaco o Kleftiko (cabra nova no forno com legumes) e a tradicional Moussaka grega, que está disponível em todo o lado mas foi o sítio onde a achamos com melhor aspecto e estava divinal; a Moussaka é uma espécie de lasanha, mas com carne de borrego/carneiro e carregada com beringela e especiarias. Mais uma vez, aqui também se segue a tradição de trazerem sempre uma sobremesa incluída, ora gelado, ora melancia, ora outro doce qualquer que não percebemos o nome 🙂

O próximo porto foi o de Athinios, em Santorini, destino sobre o qual escreverei no próximo post.

 

 

Standard