Uncategorized

Depois do Medo

No passado dia 14 de Fevereiro, dia dos namorados em Portugal, eu e a Irina tivemos um dos nossos últimos momentos de normalidade a dois.

Nem costumamos ligar particularmente a essa data, mas aproveitamos já termos bilhetes para o espectáculo de stand-up do Bruno Nogueira no Altice Arena e desfrutamos completamente dessa noite a dois, após tantos e tantos meses sem um momento assim.

O espectáculo em si foi muito bom, não havendo propriamente uma forma clara de descrevê-lo, sendo basicamente uma série de divagações soltas e sem filtro sobre temas mais ou menos aleatórios da actualidade e da própria vida do Bruno; hilariantes os momentos em que ele usa os próprios pais (que estavam na plateia) como alvo, sem dó nem piedade, compensando-os no fim quando os chama ao palco e pede uma ovação do público para, parafraseando, eles sentirem por uma vez o que é ter tanta gente a gostar deles.

Olhando para trás, tem o seu quê de surreal só ter passado pouco mais de um mês sobre essa data, em que apanhamos trânsito e tivemos dificuldade em estacionar como numa qualquer sexta-feira em Lisboa, jantamos sushi e estivemos despreocupadamente no meio de milhares de pessoas num Altice Arena lotado.

E o título soava quase a premonitório…

Standard
Uncategorized

Os meus filmes de 2019

O ano passado só fiz isto em Janeiro, este ano já cai quase em Abril, ano que vem talvez lance em 2022 os filmes de 2020 🙂

Fora de brincadeiras, o meu top dos filmes de 2019 é bem fácil, porque não vi tantos filmes “do ano” assim. Foi um ano em que mais uma vez apostei muito em ver e re-ver clássicos (Spartacus, Psycho, Clockwork Orange, Orfeu Negro, entre outros) ainda me faltam ver alguns dos mais badalados (à cabeça, 1917, Parasitas, a Herdade), mas para manter a tradição, o meu top foi este:

Joker

Pelo filme que é, pelo que mexe comigo e pelo quanto excedeu as expectativas que tinha.

Once Upon a Time in Hollywood

Porque quanto mais o vejo (já foram mais duas vezes depois do cinema), mais gosto dele.

The Irishman

Porque podia ficar as 3 horas e tal de filme só a ver o Joe Pesci a fazer de mafioso.

A única coisa que não me convenceu muito foram os tais efeitos de “rejuvenescimento” dos cotas, que nunca me parece ser assim tão natural, mas é algo que se torna secundário no meio da genialidade dos actores.

Uncut Gems

Porque acho que o Adam Sandler faz muito filme de merda mas não consigo deixar de nutrir alguma simpatia por ele, e por chegar ao fim deste filme e perceber que isso tem razão de ser.

Faz aqui um papel brutal que penso que merecia um hype bem maior do que aquele que teve.

Variações

Porque não fica a dever absolutamente nada a nenhum biopic “estrangeiro”.

Klaus

Porque foi o único filme de animação que me prendeu verdadeiramente este ano, demonstrando que há sempre qualquer coisa de original que se consegue fazer com a velha fórmula natalícia de derreter um velho coração gelado.

Standard