Sonoridades

Três Cantos

rc72467ritacarmo-a860

Acho que ainda gostei mais deste espectáculo do que estava à espera.

Nunca tinha visto nenhum dos três ao vivo. Acho que tinha um certo medo. Sem grandes rodeios, medo da velhice deles. Mas é muito diferente ser do passado, e ser intemporal.

As vozes são as mesmas e, principalmente, o gosto de ali estarem a cantar é o mesmo. O Zé Mário Branco disse que a única coisa que poderia dizer era: “estou tão contente”. E estava. Poucas pessoas se entregam a cantar com tanta emoção como este senhor: parece que o mundo vai acabar a qualquer momento.

Sérgio Godinho igual a si mesmo, fresquíssimo, tremendamente à vontade a brincar com as palavras e com o momento, e a ser o primeiro a arrepiar com “O Primeiro Dia”.

Não conhecendo bem as obras mais recentes do Fausto, fiquei contente de ver que ele mantém a língua afiada (sempre a contrastar com a suavidade da voz). Mas o que realmente me encheu as medidas foi ouvir “Como um sonho acordado”. A simplicidade destes versos assombra:

“Meu amor quando eu morrer
Ó linda
Veste a mais garrida saia
Se eu vou morrer no mar alto
Ó linda
Eu quero ver-te na praia
Mas afasta-me essas vozes
Linda

Tens medo dos vivos
E dos mortos decepados
Pelos pés e pelas mãos
E p’lo pescoço e pelos peitos
Até ao fio do lombo
Como te tremem as carnes
Fernão Mendes”

É bom relembrar o quão bela é a música e a língua portuguesa. Definitivamente, fez-se história neste encontro. Comprovem no CD ao vivo que será lançado.

Standard

2 thoughts on “Três Cantos

    • Y. says:

      LOL ele diz isso porque estes concertos foram no Campo Pequeno e assim sendo tou indirectamente a apoiar as “tóradas”. How fag is that? Fica pra pensar.

Responder a Y. Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *