Cinemadas

Hateful Eight

Chega a ser um ritual. Surgem os primeiros rumores de um filme novo do Tarantino; vou controlando o desenvolvimento da coisa com atenção, acompanho tudo o que vai sendo revelado e confirmado, e fico expectante e excitado até à estreia. Sei que muito provavelmente vou gostar do que vou ver, e eventualmente vou até chegar ao ponto de venerar o resultado.

E assim foi com Hateful Eight, com a excitação acrescida pela ameaça de cancelamento por disponibilização indevida do script antes do tempo, e posterior volte-face.

Este Western pode não ser (difícil decidir) um dos seus melhores filmes, mas assume com certeza um lugar de bastante mérito na filmografia do autor, sendo até bastante inovador em diversos aspectos.

O mais evidente é a banda-sonora. O corte e costura de músicas de outras referências é aqui substituído por uma banda-sonora dedicada e original de ninguém menos que o Senhor Ennio Morricone, que já tinha estado muito presente no universo de Tarantino, mas nunca de forma concertada e intencional. Suspeito que seja algo que Tarantino já quisesse fazer há muito tempo e finalmente tenha conseguido concretizar, e o resultado é muito, muito positivo.

Este “pequeno” facto confere ao filme um ambiente bastante intenso e surpreendentemente diferente do que seria de esperar de um western com Morricone ao fundo; mais carregado, mais negro, algo que sem imagem talvez associássemos mais a um filme de terror do que a um filme de cowboys.

Outra questão foi o equipamento de filmagem escolhido; em vez de uma modernice digital vocacionada para os IMAX desta vida, o filme foi rodado com a clássica Panavision 70 mm. A beleza cinematográfica alcançada é crua e brutal, tanto nos grandes planos panorâmicos (e o filme é repleto deles) quanto nos pequenos closes que se vão fazendo à medida que vamos entrando nas personagens.

Finalmente, as personagens. A forma como estas vão sendo apresentadas, reveladas e lentamente dissecadas, deixando para o clímax final o desvendar das verdadeiras intenções de cada uma delas, é simplesmente brilhante, principalmente por ser feita de forma bastante subtil, e reduzindo ao mínimo indispensável os longos diálogos que costumamos encontrar nos seus filmes.

Tudo isto mostra que o homem está em forma, segue criativo e continua a alargar o leque de truques que tem na manga. Agora é só esperar que não se passem muitos anos até que nos surpreenda novamente.

Standard
Cinemadas

Django Unchained

vlcsnap-2013-01-14-21h51m08s236

Vale sempre a pena esperar por um filme do Quentin Tarantino. Esta frase continua inteiramente verdadeira. Diria até reforçada, depois deste Django Unchained.

Se ele já tinha atacado o género Blaxploitation em Jackie Brown, aqui decide misturá-lo com um dos que lhe faltavam na filmografia: o western. Ou o southern, já que o cenário é todo sulista.

Nos Estados Unidos de 1858, Django era mais um escravo sem qualquer esperança de salvação, até ser resgatado por um caçador de cabeças alemão, que precisa dele para reconhecer visualmente os seus próximos alvos. Inicialmente “contratado” somente para esta missão, Django vai aprendendo o ofício e se tornando um exímio pistoleiro, tendo em vista o objetivo derradeiro de salvar a mulher, de quem fora separado à força.

Vários ingredientes básicos de filmes de ação à antiga misturados: separação à força da família, sede de vingança, associação de uma dupla improvável… tudo misturado numa panela cheia de sangue e referências históricas (e cinematográficas).

Além da estilizada violência gráfica, a narrativa e os típicos diálogos tarantinescos, o que realmente dá um toque extra ao filme, é a plausibilidade dessa violência, no período retratado. Tanto a física quanto a verbal, aliás (a palavra Nigger é dita ou cuspida mais que uma centena de vezes). Motivo de incómodo para muita gente que gosta de lavar a história com paninhos quentes.

O filme gira à volta de Django e o Jamie Foxx se assume o homem perfeito para o cargo, mas há varias outras personagens brilhantes, com a de Cristopher Waltz mais uma vez à cabeça. É também o melhor papel do Samuel L. Jackson num filme do Tarantino, depois de Pulp Fiction. Um velho servo negro profundamente racista (contra a sua própria raça), impagável.

Depois há também as pequenas lições de cultura geral. Para mim, e acredito que para grande parte da minha geração, a palavra Mandingo só remetia o meu cérebro para referências pornográficas. O filme lava isso. Obrigado.

Já me alonguei mais que o costume, portanto, o resto fica para verem. E ouvirem, que a banda sonora é, mais uma vez, outro espetáculo à parte.vlcsnap-2013-01-14-21h51m08s236

Waiting for a Tarantino movie is always worth it. This statement remains absolutely true. I would add truest, after this Django Unchained.

If he already went all Blaxploitation in Jackie Brown, here he decides to mix it with a gender missing in the filmography: the western. Or, more specifically, the southern.

In 1858’s United States of America, Django was just one more hopeless slave, until he is rescued by a German bounty hunter, who needs him to visually recognize his next targets. Initially “hired” for just that mission, Django begins to learn the tricks of the trade and becomes an expert gunslinger, aiming the ultimate goal of saving his wife, from whom he was forcibly separated.

There are several basic old school action movie ingredients: sudden separation, thirst of revenge, an improbable duo of heroes… all mixed in a pot full of blood and historical (and movie) references.

Beyond the heavily stylized graphic violence, the narrative and the typical Tarantino dialogues, what really gives the movie an extra touch, is the plausibility of that violence, in that period. Both the physical and the verbal violence (the Nigger words is said or spat more than a hundred times). Strong reasons of discomfort to those who try to wash away dirt stories from the past.

The movie is all about Django and Jamie Foxx assumes himself as the perfect man for the job, but there are several other brilliant characters, with Cristopher Waltz shining above others, once again. It’s also the best role of Samuel L. Jackson in a Tarantino Movie, after Pulp Fiction. An old black collaborationist racist servant. Priceless.

There are also small general knowledge lessons here and then. For example, for me and my generation, the word Mandingo would only ring a bell about pornographic references. The movie sort of washes that. Thank you.

I already talked more than I use to, so the rest is yours to watch. And listen, as the soundtrack is also brilliant. Once again.

Standard
Uncategorized

Fuck a Duck

É com grande prazer que anuncio que posso continuar a afirmar que adoro todos os filmes que Quentin Tarantino já realizou.

Inglourious Basterds é brutal, brutalíssimo, em todos os sentidos. Acho que um dos grandes trunfos do homem é que ele não se coíbe de esticar a corda até ao máximo, seja na violência gráfica, nos longos diálogos ou nas experiências de estilo. Desconfio que seja tudo feito inteiramente a pensar no seu próprio divertimento, e que ele tire um gozo do caraças do que faz: nós só temos a agradecer.

É difícil comentar mais sem revelar spoilers. Não acho que seja o melhor de todos, mas não consigo lhe apontar nenhum defeito de monta; a sua maior virtude, no entanto, é facílima de indicar, e dá pelo nome de Col. Hans Landa, ou “The Jew Hunter”. Brilhante, espantoso, perfeito, tudo o que se disser é pouco. Óscar com ele, já!!!!

Standard