Uncategorized

Rafael Portugal – Eu Comigo Mesmo

Eu sou um consumidor ávido de stand-up comedy, mas ainda não tinha parado para pensar que nunca tinha visto nenhum espectáculo do género ao vivo. Posto isso, não podia perder a oportunidade de assistir à vinda do Rafael Portugal a Lisboa; um pouco pela “saturação” com os restantes, mas muito por mérito próprio e pelo estilo, o Rafael é neste momento o meu actor preferido do colectivo Porta dos Fundos (e do A Culpa é do Cabral).

Foi no Cinema São Jorge, sala bem apropriada para algo do género mas cuja produção teve um início meio atribulado, com algum tempo perdido até sair um som decente dos altifalantes. Nota-se que já deve ser coisa corriqueira para a experiência dele, que foi usando uma situação aparentemente tensa para fazer mais humor e prosseguir mesmo sem microfone e aos berros com a sala toda.

Ultrapassada essa questão, o espectáculo não desaponta e ele é ainda mais hilariante ao vivo e sem rede, havendo apenas três coisinhas a apontar:

  • Apesar do esforço para explicar e “traduzir” as estórias para Português de Portugal, me deu a sensação de que nem sempre era fácil compreender para quem não tivesse o contexto brasileiro (ou carioca) e houveram bastantes momentos em que os portugueses ficaram Lost in Translation.
  • Uma hora sabe a pouco, para o público, mas se pararmos para pensar bem no ritmo e a sofreguidão com que ele dispara, é compreensível que seja humanamente difícil manter o fôlego, portanto está perdoado.
  • Estava expectante para ver se incluía um segmento do estilo música com convidado do público (que não eu), mas não aconteceu, era bem mais interessante que as músicas “normais” que ele toca no fim.

Acredito que ele regresse novamente a Portugal, portanto fiquem atentos, que recomendo.

Standard
Uncategorized

Os meus filmes de 2018

Estou vivo! Com um atraso para lá de considerável e seguindo a tradição ancestral iniciada o ano passado, a lista de filmes que me conquistaram no ano que findou, sem ordem particular.

Roma

Ok, este está numa ordem particular e propositadamente em primeiro. Este filme é absolutamente arrebetador, surpreendente, diferente de tudo aquilo que vi durante o ano, e comodamente disponível no Netflix.

Roma não tem nada a ver com a capital italiana, mas sim com um bairro mexicano dos anos 70, onde observamos o quotidiano de uma família de classe média alta pelos olhos da sua criada Cleo. Tanta a sua vida quanto a da família para a qual trabalha vão sofrendo uma série de reviravoltas, que não teriam nada de extraordinário não fosse a absoluta mestria, simplicidade e beleza cinematográfica com que estas são filmadas. É-me difícil explicar isso por palavras, mas poucas vezes senti um filme que tivesse conseguido ser tão pungente com tão pouco.

Esse menino Alfonso Cuáron que se deixa de blockbusters de Hollywood e que faça mais disto, que é uma autêntica obra-prima.

Bohemian Rhapsody

Demorei muito para ir ver este filme porque não tinha lido nada de bom sobre ele em tudo o que eram críticas, mas isso serviu para me relembrar a inutilidade das críticas especializadas de cinema (no que diz respeito à formatação do gosto individual de cada um, obviamente).

Rami Malek merece todos os elogios e mais alguns pela sua performance como Freddy Mercury, em crescendo e culminando no afamado concerto do Live Aid, no antigo estádio de Wembley; arrepiante a forma como ele se transformou e encarnou um dos performers mais poderosos de sempre.

É notória a forma como o filme endeuza em demasia o personagem e seus companheiros de banda, e embeleza a história cortando a eito e em grande as partes mais sujas? É. É deliberadamente feito para vender e para se fazer a prémios? É. Mas que se foda, todos os filmes para entreter tivessem esta força.

A Star is Born

Depois de um início de carreira “manhoso”, o Bradley Cooper tem estado mais ou menos lentamente a afirmar-se como um grande actor, e este filme é mais uma prova disso, aqui com o bónus acrescido de ter sido também o realizador.

A Lady Gaga também esteve bastante bem e os dois tiveram aqui uma química incrível, mas se é para ela que os holofotes estão virados, é ele que carrega o filme. É um bocado batota fazer esse brilharete enquanto bêbado e drogado quando já se foi um, mas não lhe tira o mérito, de todo.

Excelente drama de puxar a lágrima, musiquinhas que ficam no ouvido, uma excelente tarde de cinema com quem se ama.

Incredibles 2

Por razões óbvias consumo muitos filmes de animação hoje em dia, mas verdade seja dita que também uso os miúdos como desculpa e que grande parte provavelmente veria na mesma; este é sem dúvidas um deles.

O primeiro filme tem um lugar especial no meu coração, e tinha que tirar a limpo se tantos anos depois e com tantos maus exemplos este lhe faria jus ou não, e saí do cinema bastante satisfeito, a Pixar ultimamente não tem falhado. A fórmula é super-batida, os super-heróis ostracizados, o drama familiar, o regresso glorioso (isto não chega a ser spoiler…), mas está tudo no sítio.

Comédia na boa, bastantes gags que só os adultos percebem, pertinentes observações sociais (ex. igualdade de género, parecer versus ser) e o bebé a roubar completamente a cena tornaram este filme um dos meus preferidos do ano passado, e quiçá tenha até suplantado o primeiro.

BLACKkKLANSMAN

Sou fanzaço do Spike Lee. Por vezes me chateia que a sua filmografia seja tão inconstante, alternando coisas boas com muita porcaria pelo meio, mas parte disso também se explica pela sua coerência e independência; ele é bastante fiel aos temas e ao seu estilo, e parece preocupar-se mais com isso do que com o sucesso comercial, o que é de louvar (umm lembrei-me do remake manhoso do Oldboy, mas um homem tem que pagar as contas).

Neste Spike Lee joint ele acerta em cheio na fórmula. O primeiro polícia negro de Colorado Springs tem a audaciosa ideia de infiltrar-se no Ku Klux Klan local, e o resto é história. Um filme de outro tempo, filmado com um ritmo “à antiga” mas com uma série de paralelos e provocações com a nossa actual era, alternando entre a comédia e a tensão com grande estilo.

Uma nota interessante da qual não me tinha apercebido: o protagonista é filho do Denzel Washington, aparentemente the apple didn’t fall far from the tree.

Outra nota interessante: para os fãs de The Wire, tem um gostinho especial ouvir certo personagem a repetir uma certa interjeição.

Standard
Teatradas

Baixa Terapia

Baixa Terapia. Eis que quatro anos depois de o termos visto no mesmo teatro, voltamos a ter o privilégio de ver uma peça produzida e protagonizada pelo grande António Fagundes (e família “alargada”), e que está em cena no Tivoli até ao final de Outubro.

Três casais frequentam habitualmente (e em separado) sessões de terapia com uma psicóloga, mas ao chegarem ao consultório percebem que não só esta não está presente, como terão que fazer uma terapia de grupo com os restantes casais que não conhecem, seguindo as instruções preparadas pela terapeuta e deixadas em envelopes no consultório.

Inicialmente a coisa começa meio morna, mas sem nos darmos conta começa a descambar completamente e a entrar numa espiral de discussões absolutamente caóticas e que chegam a ser cruéis, de tão hilariantes; há muito, muito tempo que não me ria tanto com uma peça de teatro, e o melhor de tudo é que a peça não só sucede nessa vertente, como aborda dessa forma uma quantidade absurda de temas delicados, com direito a verdadeiro golpe de teatro no final. Obrigado, família Fagundes!

Standard
Uncategorized

Fundraising André Antunes

Não é de ânimo leve que escrevi isto e que comecei este fundraising; este tipo de exposição é algo que custa imenso ao André, mas a situação é verdadeiramente crítica e assim o justifica.

Desde o início de 2016 que o meu grande amigo André Antunes tem enfrentado sucessivas e duríssimas batalhas contra o cancro. O que começou então como fraqueza, cansaço e perdas de sangue, culminou num diagnóstico de cancro no cólon/reto, com diversas metástases hepáticas. Na altura foi-lhe dada uma esperança média de vida de 6 meses.

Seguiram-se 6 ciclos de quimioterapia (interrompidos por terríveis reacções alérgicas) até ser alcançada uma redução que permitiu a operabilidade do fígado, o órgão que lhe punha a vida em risco. Havia uma probabilidade de 50% de que o André não sobrevivesse à operação de 8 horas que se seguiu, mas ele manteve-se na luta. Mais tarde, houve ainda outra operação ao reto, para retirar o que faltava.

Com as metástases mortas e muito pouco tumor activo, os resultados foram animadores, mas não duradouros. As reacções alérgicas não lhe permitiram fazer a quimioterapia preventiva protocolar (fez radioterapia em alternativa) mas, de Janeiro de 2017 até Abril de 2018 os exames revelaram que não havia evidência recidiva. Nesse período voltou moderadamente ao ciclismo de estrada/BTT, à natação e a muito do que era a sua rotina “normal”.

Em Abril deste ano, numa consulta de rotina, com a oncologista, o pesadelo voltou. Tinha metástases na zona pélvica, fígado e pulmão, este num estado muito inicial. Pulmão e fígado foram “queimados” mas tal não era possível na zona pélvica. Tanto o IPO Porto, o IPO Lisboa e o Curry Cabral comunicaram-lhe que não havia solução para o problema; a quimio foi tentada uma última vez, com efeitos terríveis e a percepção imediata de que a sua continuação poderia ser fatal.

Com todas as dores que possuía, a falta de sono e nenhuma perspectiva de tratamento, o André só conseguiu recorrer à alteração dos hábitos alimentares, tornando-se vegan. Ainda que os médicos duvidem dos benefícios, ele sente-se com bastante mais energia deste então, e continua a fazê-lo. Isso deu-lhe uma esperança de que estivesse a melhorar, mas após insistência médica e realização de exames, a conclusão foi que a doença continuava a avançar, e até mais depressa do que o previsto.

Todas estas dificuldades têm sido ultrapassadas às custas da imensa força do André, mas chegamos ao momento em que a todas estas dificuldades junta-se a capacidade monetária. Já há algum tempo que a oncologista lhe tinha indicado a existência de uma clínica na Alemanha para tratamento baseado em células dendríticas , mas foi deixada para último plano precisamente devido aos custos.

A vacina das células dendríticas é produzida com o sangue do próprio doente, que após tratado em laboratório, é devolvido ao doente contendo as informações necessárias que são transmitidas ao sistema imunitário. A teoria é que esta informação leve o sistema imunitário, agora reprogramado, saiba as células que deve atacar e as que deve proteger.

São necessárias no mínimo 4 vacinas, dadas num intervalo de 4 a 6 semanas para que o sistema imunitário esteja suficientemente forte e informado para combater o tumor. Na primeira vez que o doente vai à Alemanha (dia 1 de Outubro, no caso do André), fica cerca de 10 dias; nas vezes seguintes, 3 a 4.

Cada paciente tem a sua terapêutica definida aquando da primeira consulta na Alemanha. Casa vacina custa 5155,66€. A este valor acrescem mais 4000€ para a leucoferese, que só se faz na 1ª ida à clínica.

Neste momento não se sabe com exactidão o custo total dos tratamentos, mas o valor nunca será inferior a 32000€. Uma vez que o caso é bastante grave, ele vai ser seguido pelo Dr. Thomas Neßelhut, pioneiro nesta área. A este valor acrescem viagens, estadia, aluguer de carro, alimentação e suplementos. Neste momento ele já gasta cerca de 360€ por mês em ozonoterapia + suplementos (cerca de 200€), que lhe aliviam as dores e lhe permitem continuar a trabalhar (algo extremamente difícil de convencer o André a abdicar fazer).

Esta é a derradeira e melhor hipótese de tratamento que o André tem, e queremos fazer tudo o que esteja ao nosso alcance para que ele a aproveite. Caso tenham a possibilidade de contribuir, não hesitem em fazê-lo; iremos manter esta página actualizada com os gastos que forem sendo feitos. Podem também fazê-lo directamente para a conta bancário do André:

IBAN: PT50 0018 000338942637020 26
Swift Code/BIC:TOTAPTPL
(André Antunes)

Obrigado!

Standard
Andanças

Grécia – Santorini

Ao contrário de Naxos, de Santorini já tinha ouvido falar bastante e tinha definido como paragem obrigatória nesta passagem pela Grécia; há uns anos atrás trabalhei com um grego que me disse que se tivesse que escolher uma das “suas” ilhas para visitar que fosse esta. Assim o fizemos e não nos arrependemos: por mais turística e repleta de gente que esteja (que até nem foi o caso nesta altura), a ilha da Santa Irini é de uma beleza absolutamente arrebatadora, desde o primeiro momento em que lhe deitamos a vista.

O porto de Athinios (onde atracam os serviços de ferries) dá logo uma bela impressão do que virá a ser o resto: um pedacinho de asfalto encrustado num declive muito íngreme de rocha vulcânica cheia de cores (como em boa parte da ilha), de onde saímos após uma subida alucinante, cheia de curvas e contra-curvas e rasgos de belíssimos panoramas marítimos. Chegamos até ele através da Blue Star Ferries, depois da Hellenic Seaways ter dado banhada e cancelado os barcos em que era suposto chegarmos e partirmos.

Fora esta, qualquer viagem que se faça nesta ilha é uma oportunidade para ficar de boca aberta com os imensos pontos perfeitos para as fotografias: quando achamos que encontramos a melhor vista, andamos mais 20 minutos e já estamos em outra ainda melhor. Não há como não destacar Oia, sendo que fotos e palavras não chegam para descrever o quanto me surpreendi com esta vila: ia com um certo preconceito por achar que era um local muito “retocado” e demasiado polido para turista ver, mas é sem dúvida um dos locais mais bonitos onde já estive. Nota negativa apenas para a exploração que é feita aos burros: é uma atrocidade os animais passarem o dia a carregar turistas (e a levar paulada dos donos) por uma imensidão de escadas, apenas por graça, pois existem alternativas  (teleférico, carro… caminhadas!).

Optamos por ficar em Kamari, lugar de praia (de calhau, mas de água boa), próximo do aeroporto, bastante plano e com tudo ao pé. Ficamos no ApartHotel Zacharakis Studios, que seguia bastante a onda de hotel familiar do anterior, com um dono muito conversador e extremamente prestável.

Tivemos uma sorte mista com o clima nos dias em que lá estivemos: se por um lado não ter estado demasiado calor permitiu-nos não sofrer muito nos passeios que fizemos, ter havido chuva a sério e bastante vento no seguimento em um dos dias levou-nos a pensar que um dos nossos planos sairia frustrado: o de fazer um tour de barco pela ilha e pelo vulcão vizinho.

Felizmente a coisa melhorou e no nosso último dia tivemos direito a isso: os tours de barco não são propriamente baratos, mas valem muito a pena: temos perspectivas espectaculares da ilha, ficamos a conhecer melhor a sua história, paramos nos melhores (e mais isolados) sítios para saltar do barco e nadar e tipicamente incluem uma refeição preparada pela tripulação (o típico churrasco de souvlakis/espetadas e saladas, que cai sempre bem). Estivemos mesmo, mesmo para marcar com antecedência no getyourguide.com, mas o meu instinto levou-me a arriscar e marcar por lá e deu certo; saiu-nos por quase metade do preço (a tal lábia do dono do hotel levou-o a convencê-los a não cobrar nada pelas crianças quando ligou a fazer a marcação) um tour semi-privado (10 pessoas a bordo).

Por ser um local mais turístico, devo dizer que não comemos tão bem nesta ilha, mas há um sítio em Kamari que segue o conceito de Mezze (basicamente tapas/petiscos gregos) de uma forma espectacular: chama-se Pinakio, e garantam que façam uma reserva no dia anterior, porque à primeira tentativa batemos com a porta na cara. Bons petiscos, muito boa onda.

O regresso para Atenas teve que ser de avião, na Sky Express, num bi-motor ATR42. Combinando a confusão no aeroporto de Santorini (que é pouco mais do que um barracão), o atraso que o voo teve, a proximidade com a partida do voo de Atenas para Lisboa, o porte do avião e o vento que estava resultaram numa experiência… diferente e no mínimo interessante, para ter mais algo para contar, mas a bem do vosso coração, recomendo que marquem um barquinho e que seja com uma folga maior.

Standard
Andanças

Grécia – Naxos

Conforme tinha escrito no post anterior, queríamos desfrutar por alguns dias de um lugar mais calmo e com boas praias para torrar, e Naxos revelou-se uma escolha acertada nesse sentido. Confesso que nem sequer de nome conhecia esta ilha (a maior das Cíclades e, de acordo com a mitologia, onde Zeus nasceu) até há bem pouco tempo, mas descobri-a num site ao qual incontornavelmente vamos parar quando começamos a pesquisar sobre férias na Grécia: o do Santorini Dave.

Como o nome indica, ele é um apaixonado por Santorini mas não só, é um entusiasta de viagens em geral e da Grécia em particular, e a ilha que ele considera ser a mais “family friendly” é precisamente esta. Spot on. Chegamos até lá através de um ferry da Hellenic Seaways, numa viagem de mais ou menos quatro horas absolutamente tranquila, tanto pelo conforto do bicho quanto pelas facilidades a bordo (se forem em época baixa, como nós, paguem apenas a classe economy, porque depois deixam-vos sentar em qualquer lado), mas não recomendo esta companhia, pois cancelaram-nos os barcos de e para Santorini mesmo em cima da hora (no post sobre Santorini já falo sobre isto em mais detalhe).

As meras viagens de ferry entre ilhas são por si só passeios que valem a pena, pois obtém-se uma perspectiva bem interessante da “vizinhança” e da paisagem de várias delas, e o desembarque por via marítima tem todo um outro encanto que não existe no de via aérea.

Optamos por alugar carro na ilha, “orientado” pelo Stravos, o dono do nosso hotel, o Anatoli Hotel; é um hotel muito simples e familiar, com a família que o gere revelando simpatia e atenção extraordinárias. Diria que o carro não é absolutamente indispensável mas é bastante útil para explorar a ilha, que não é tão pequena quanto isso e, apesar de ter excelentes praias um bocado por todo o lado à mão de semear, tem as melhores em sítios mais ou menos distantes ou isolados a nível de transportes. Faz-se, mas com maior esforço.

Todas as praias são de águas calmas e areia “como deve ser” (ao contrário de outras ilhas com pedra/areia preta), com bastante espaço para estar à vontade e bem servidas de organização (chapéus, bares, restaurantes) quando assim convir; normalmente nem sequer se cobram pelos chapéus de sol, bastando consumir qualquer coisa nos bares de apoio, por mínima que seja. A nossa preferida foi sem sombra de dúvida Plaka; a limpidez, a temperatura da água e a vista para a ilha de Paros é em tudo semelhante às restantes, mas a calma e a envolvente em redor fazem a diferença. Agios Prokopios leva uma menção honrosa (e é a praia da foto que ilustra o post).

Tivemos bastante sorte com o clima, pois apanhamos sol e calor abrasador em todos os dias excepto num, e nesse aproveitamos para explorar um bocado mais a pé os meandros antigos da capital (Hora), que possui bairros muito interessantes do tempo em que estavam sobre domínio Veneziano (incluindo um castelo dessa era), a Portara, a porta do templo inacabado de Apolo, que tem mais de 2500 anos e é um bocado o ex-libris da ilha e das primeiras coisas em que reparamos ao lá chegar, e o vilarejo de Apollonas, do outro lado da ilha e que tem um recato um bocado menos turístico e ainda mais pacato.

Tenho que fazer menção a um restaurante, pois foi onde fomos jantar todas as quatro noites, sem excepção, o To Elliniko; por mais que quiséssemos experimentar outra coisa, a Carol ficou encantada com ele e quis lá voltar sempre, o que nunca aconteceu com nenhum restaurante que não o McDonalds, portanto aproveitamos a deixa e não contrariamos. Excelente ambiente (o restaurante é todo em esplanada ao ar-livre), dono e staff super-simpáticos e com pratos muito bons, dos quais destaco o Kleftiko (cabra nova no forno com legumes) e a tradicional Moussaka grega, que está disponível em todo o lado mas foi o sítio onde a achamos com melhor aspecto e estava divinal; a Moussaka é uma espécie de lasanha, mas com carne de borrego/carneiro e carregada com beringela e especiarias. Mais uma vez, aqui também se segue a tradição de trazerem sempre uma sobremesa incluída, ora gelado, ora melancia, ora outro doce qualquer que não percebemos o nome 🙂

O próximo porto foi o de Athinios, em Santorini, destino sobre o qual escreverei no próximo post.

 

 

Standard
Andanças

Grécia – Atenas

Este ano o nosso Verão começou na Grécia, nomeadamente na sua anciã capital, Atenas, e em duas das ilhas do arquipélago das Cíclades, Naxos e Santorini.

A Grécia tem imensas ilhas e o nosso objectivo passava por conhecer nesta viagem pelo menos duas delas; o racional foi tentar balancear entre uns dias de praia pura (Naxos) e outros mais de passeio e de calibre “paisagístico” (Santorini). Atenas seria sempre o ponto de conexão e um destino à partida interessante por si só, e foi por onde começamos.

Voamos directamente de Lisboa para Atenas pela companhia nacional Aegean Airlines, num voo red-eye que partiu pela meia-noite alfacinha e aterrou às seis da manhã locais, o que nos permitiu desfrutar de dois dias completos até ao nosso primeiro barco rumo à insularidade.

Confesso que não fiquei encantado com a capital grega. Atenas é um verdadeiro caos em todos os sentidos, a arquitectura não parece ter grande critério, parte da cidade está num estado de conservação duvidoso e, para piorar, o lixo é algo que abunda por todo o lado (dou o benefício da dúvida se teremos tido azar ou se será sempre assim).

Deixando de lado as partes más, o que efectivamente me agradou e surpreendeu foi a hospitalidade de todas as pessoas com que nos cruzamos, começando pelo nosso host do Air BnB que, além de ter um apartamento muito jeitoso (com um jacuzzi no terraço que depois de um dia de caminhada no calor infernal de Atenas é um verdadeiro oásis), forneceu-nos um mapa (em versão física e digital) com dicas muito boas, incluindo os locais recomendados para comer “like a local and not like a tourist“. Come-se (e bebe-se) extremamente bem e a preços razoáveis por aquelas bandas, sendo que algo que aprendi rapidamente foi a não pedir sobremesas ou digestivos, pois é algo que invariavelmente nos trazem como oferta no fim, por mais que insistamos que não.

A zona onde ficamos (Monastiraki) é bem pitoresca, uma amálgama de bairro tradicional, conjunto de feiras a céu aberto e onda hipster. De lá é possível apanhar facilmente o metro, que funciona bem e tem a parte interessante de possuir em várias suas estações relíquias e exemplares da Grécia Antiga.

Falar de Atenas e da Grécia Antiga é falar da Acropolis, o ex-libris da cidade e sem dúvida o seu merecido ponto alto. É sem dúvida de uma imponência impressionante, nota-se que aqui sim há um esforço de conservação e preservação notório, e merecia uma visita mais aprofundada da nossa parte, que fica para quando os miúdos tiverem paciência e pernas para tal.

Uma nota para uma caminhada filha da **** que fizemos com os putos às costas para chegar até ao teleférico de Mount Lycabettus: é sim senhor um sítio privilegiado para se ter uma boa vista sobre a cidade mas, na minha opinião, não deslumbra nem compensa o esforço (podem sempre ir de táxi).

Das ilhas falarei nos próximos posts.

Standard
Uncategorized

Sky Ocean Rescue – Lisbon Beach Clean-Up

A Sky (para os mais distraídos, a empresa britânica onde trabalho) financia uma excelente iniciativa chamada Sky Ocean Rescue, que visa a consciencialização e combate à problemática do plástico nos oceanos.

Uma das acções propostas no âmbito da comemoração do primeiro aniversário desta iniciativa era uma limpeza de praia, e nesse sentido desafiei o pessoal do escritório de Lisboa a arregaçar as mangas e contribuir para esta causa.

A acção foi organizada com a colaboração da Straw Patrol, e realizou-se a 20 de Maio (Dia Europeu do Mar), na Praia do Segundo Torrão, na Cova do Vapor.

Ainda que no fundo seja um contributo quase simbólico perante a dimensão do problema, soube-nos bastante bem e é algo que irei com certeza fazer mais vezes. Em pouco mais de 2 horas e numa praia de pequena dimensão, conseguimos juntar cerca de 200 kg de lixo, sendo impressionante a quantidade de lixo que as pessoas continuam a despejar de forma impune na praia e nas matas, e aquela que vem parar ao areal trazida pelas marés (cotonetes, palhinhas, etc)…

Standard
Teatradas

O Principezinho

Na semana passada fomos com as crianças ver a peça da Universal Music baseada n’O Principezinho de Saint-Exupéry, que está em cena no Teatro da Trindade. A história é sobejamente conhecida e intemporal; esta encenação, além de apostar na vertente musical, joga também com uma forte componente multimédia, num cenário altamente dinâmico e com projecções de video mapping muito eficazes e fiéis ao imaginário do livro.

O espectáculo é visualmente deslumbrante e contado de forma acessível e transversal a todas as idades, só pecando em determinados momentos, na minha opinião, por algum exagero e megalomania; há uma série de “capítulos” (condensados aqui em músicas) que são apresentados de rajada sem dar o devido tempo para apreciarmos e absorvermos devidamente o que se está a passar, sendo que as partes mais tocantes acabam por ser os mais simples, sejam as conversas do principezinho com o aviador ou músicas mais introspectivas como A Rosa.

Acima de todos esses floreados está o elenco, sempre a um nível muito elevado, tanto na representação quanto nas cantorias, conforme o exemplo acima demonstra, agarrando e conquistando definitivamente o público pela valia que empregam à história.

Uma nota para os lugares do balcão lateral no Teatro Trindade: a visibilidade é terrível, especialmente para as crianças; felizmente sobraram lugares nos camarotes acima, e o staff foi suficientemente gentil para oferecer esses lugares às crianças e às mães dos nossos grupo.

Standard
Andanças

Parque Biológico da Serra da Lousã

A Lousã tem muito mais que se lhe diga, mas estivemos lá na primeira semana deste ano principalmente pelo seu Parque Biológico, em Miranda do Corvo.

Não conseguimos ver os animais todos, porque o espaço está a passar por algumas obras de renovação, mas chegou para ser uma experiência excelente para todos, especialmente para os pequenos, que adoraram o contacto com os animais e com a natureza.

O parque possui uma quantidade considerável de bichos em espaço livre (delimitado, obviamente), nomeadamente linces, lobos, dois ursos pardos, veados, javalis, cabras… sendo que com estas últimas podemos ter efectivo contacto directo e levar comida fornecida na entrada para comerem das nossas mãos.

Ficamos hospedados no Hotel Parque, que como o nome indica fica mesmo em frente e está relacionado com este. Impecável em todos os aspectos, com zonas de relax puro e muita coisa para a criançada se entreter, e um preço bastante razoável para a qualidade.

No restaurante Museu da Chanfana, que também é gerido pelo hotel, desfrutei da bela especialidade da casa; aqui falo no singular, porque fui o único lambão que apreciei aquele forte sabor a cabra velha.

 

Bastante perto, visitamos ainda um belo exemplar das aldeias do xisto, a aldeia de Gondramaz, que remete a uma verdadeira viagem no tempo, ainda mais acentuada por estar de chuva e sermos os únicos a percorrerem as ruas naquele dia.

Recomendadíssimo e a repetir.

Standard