Andanças

Itália – Roma

Neste ano o nosso Verão começou na Itália, mais concretamente na “cidade eterna”, a sua milenar capital Roma; foi a primeira etapa desta viagem que tinha como principal objectivo desfrutar da beleza e das praias da ilha da Sardenha, de que vou falar no post seguinte.

Enfatize-se o “Verão” do parágrafo anterior, pois aterramos bem no meio da vaga de calor que atacou o centro da Europa: o termómetro andou sempre à volta dos 36-38 graus (!), o que dificultou um pouco os passeios que tínhamos planeado, mas ainda assim deu para conhecer alguns dos seus pontos principais.

Com esse calor todo, malas e crianças, optamos por apanhar um táxi no aeroporto de Ciampino, e aí tivemos um primeiro impacto negativo: supostamente o serviço de táxis do aeroporto é regulado e controlado, mas deparamo-nos com uma autêntica máfia. Há um preço de tabela de 30€ do aeroporto para o centro, sendo centro tudo o que esteja dentro da muralha aureliana. Ora, o apartamento que alugamos estava claramente no centro, o que era visível em todos os mapas que estavam escarrapachados na praça de táxis, mas os motoristas insistiam que não e que só por 50 nos levavam. Depois de algumas negociatas, lá apanhamos uma que fez o “favor” de nos levar por 40. Va bene. Depois disso, foi sempre pela app do myTaxi (agora FreeNow).

O segundo impacto já foi melhor, porque o apartamento era impecável, e inserido num bairro (Testaccio) bem localizado e bastante típico, ainda pouco “turistizado”, próximo q.b. de um metro (Pirâmide, onde está a pirâmide/túmulo de Caio Céstio), com um excelente mercado local e com o mais badalado bairro de Trastevere logo a seguir ao rio.

Infelizmente não conseguimos ver o Vaticano, porque no dia em que planeamos fazê-lo havia bastante disrupção devido a uma greve dos transportes. O Metro de Roma é barato e, apesar de ter apenas 3 linhas, prático q.b. (100 minutos por 1.5€, gratuito para a criançada com menos de 10 anos), mas tanto o metro quanto as estações estão (em geral) bastante mal-cuidados e são um verdadeiro buraco sufocante quando está calor.

Vimos o colosseo só de fora, porque as filas para entrar eram intermináveis e estavam paradas; a entrada é controlada e nos altifalantes era anunciado que ainda ia demorar algumas horas, incomportáveis com os tais quase quarenta graus de temperatura. Para furar a fila com um guia tínhamos que deixar lá um rim, portanto ficou para a próxima. Mesmo de fora, dá para ficar arrebatado com a imponência da obra.

Algo que ainda assim ajudou muito a suportar as caminhadas que fomos fazendo são as 2554 (!) fontes de água potável que a cidade tem, resistentes do tempo do Império, com água fresca sempre a correr para beber ou molhar carecas suadas como a minha.

Passados dois dias, saímos de lá com sentimentos mistos.

De positivo:

  • As partes históricas (Coliseu, Panteão, Fórum Romano, a mais “recente” Piazza di Spagna e os Spanish Steps), além de muito bem conservadas, impressionam
  • Autenticidade dos bairros e dos romanos, em grande parte fiéis aos estereótipos (ex. falar alto e com as mãos)
  • Esperava que fosse só fama, mas os gelatos são mesmo espectaculares, em todo o lado, não comi um único gelado ruim!

De negativo:

  • As greves e confusões nos transportes que apanhamos, mas deu para nos sentirmos em casa 🙂
  • Sobrelotação de turistas, mas está na época
  • Sujeira em geral da cidade, miséria (muita, muita mendicidade)

Fica o compromisso de ver tudo com mais calma num Inverno futuro, até porque atiramos todos a moedinha na Fontana di Trevi, o que significa que lá teremos de voltar.

Standard

One thought on “Itália – Roma

  1. Pingback: Itália – Sardenha – Villasimius | Y.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *