Andanças

Itália – Sardenha – San Teodoro

De Villasimius até San Teodoro, no noroeste da ilha e bem próximo à famosa Olbia, ainda são 250km de distância e mais ou menos 3h de caminho, porque parte dele não é em auto-estrada, mas em sobe e desce, e em curvas e contra-curvas. A vantagem é a beleza própria das inúmeras verdes serras que vamos cruzando, a desvantagem o enjoo dos co-pilotos familiares. Tudo superável.

Pelo caminho afora fomos confirmando algo que já tínhamos sentido no sul: a quantidade abismal de borboletas que há em toda a ilha. Nunca vi tanta borboleta na minha vida. Espectacular.

Falando em natureza,também nunca tinha visto toda uma região com uma preocupação ambiental tão forte: em todos os sítios por onde passamos, havia imensos eco-pontos, avisos para separação e respectivas multas, sacos bio-degradáveis para o lixo orgânico (devem ser obrigatórios por lei, porque qualquer tasco de vão de escada tinha), impecável.

Como saímos cedo de Villasimius e o check-in em San Teodoro era só a partir das 15, e queríamos explorar o máximo de locais (e praias) possíveis, decidimos parar para refrescar mais ou menos a meio, numa praia em Bari Sardo. O caminho até lá foi tortuoso, e fez-nos questionar várias vezes se estávamos realmente em algum lugar “civilizado”, mas valeu absolutamente a pena, porque culminou numa praia gratuita (grande parte dos estacionamentos das praias famosas são pagos, ainda que com valores acessíveis), calma e, mais uma vez, com uma água espectacular.

À imagem de Villasimius, San Teodoro é mais um vilarejo simpático com bastante escolha de praias, sendo a mais famosa a Spiaggia La Cinta, bela, extensa, mas também a mais povoada que encontramos na ilha, e a única em que tivemos que andar um bom bocado até conseguirmos estender a nossa toalha.

Seguindo a mesma receita de Villasimius, encontramos outra vila bem organizada em que as principais vias são cortadas ao trânsito à noite, sendo que aqui havia uma escolha ainda maior de restaurantes, bares e feiras de artesanato e de “variedades”. Foi também o único sítio em que comemos todas as noites no mesmo restaurante, Il Mangiatutto, de tanto que gostamos da qualidade face ao preço, e da simpatia do pessoal; pizzas, massas, peixe, marisco, tudo delicioso, e para finalizar em grande e vincar na memória de vez, a Carolina deixou lá o seu segundo dente de leite, o que gerou uma festa imensa dos funcionários e dos comensais em geral!

Mais uma vez, partimos com o amargo de boca de não ter tido nem sinal de flamingos. Fica pra pensar. A próxima e última paragem nesta ilha foi a belíssima cidade histórica de Alghero.

Standard
Andanças

Itália – Sardenha – Villasimius

Depois de uns dias intensos em Roma, partimos num voo nocturno para Cagliari em busca de momentos mais relaxantes; Cagliari é a capital da Sardenha e possui um dos 3 aeroportos da ilha, e a nossa ideia foi partir dali e dar mais ou menos a volta, ficando 2 ou 3 dias em cada sítio.

Como tivemos que largar o apartamento de Roma cedo e o voo era só à noite, deixamos as bagagens nos cacifos automáticos da Stow Your Bags, próximos da centralíssima estação Termini. O serviço é muito prático e com um preço bem acessível comparado com o oferecido pela maioria destes prestadores, que optam muitas vezes por cobrar por item; aqui é enfiar tudo o que couber nos cacifos pelo mesmo preço (e cabe lá muita coisa, são gigantes).

Ainda ponderamos fazer uma viagem de ferry, mas os voos eram tão rápidos e acessíveis (menos de uma hora, cerca de 100 euros para os 4) que rapidamente abandonamos a ideia. Ainda que curta, a viagem acabou por ser meio atribulada, porque partimos com algum atraso e o piloto resolveu dar uma de acelera para compensar.

Chegamos à ilha já perto da meia-noite, agarramos no carro e pernoitamos num hotel próximo do aeroporto, para não fazer uma viagem longa às tantas da madrugada (de Cagliari até Villasimius ainda é cerca de 1h de caminho).

Na manhã seguinte a ideia era conhecer Cagliari e seguir caminho, mas a ressaca de refrescar era tanta que só conhecemos mesmo Poetto, a principal praia da capital, que se estende por cerca de 8 km e que é um bom cartão de visita do que valem as praias da ilha: temperatura à volta dos 24ºC, aquele azul clarinho maravilhoso e uma vista incrível das colinas que a rodeiam.

Depois de refrescar e abastecer partimos então para Villasimius, que excedeu em tudo as nossas expectativas. Começou pelo alojamento, o apart-hotel Residence Fenicia. Aquilo que pagamos em comparação a outras opções que tínhamos visto não fazia antever que era um local tão incrível, dos melhores onde já tivemos o privilégio de estar; vista espectacular, staff familiar, e acesso directo e privilegiado para a praia de Simius, que é simplesmente magnífica, e extensa o suficiente para estarmos completamente à vontade.

A vila de Villasimius também é bastante simpática, sendo que à noite as vias principais são interditas ao trânsito automóvel (um padrão que vimos repetido pela ilha fora) e há bastante comércio, restauração e movimento em geral.

Apanhamos uma ligeira desilusão com os famosos flamingos, dado que… não vimos nenhum. São um dos símbolos mais falados da ilha e estávamos supostamente num local e época privilegiados para conhecê-los, mas ou esconderam-se bem ou também tiveram uns voos atrasados. Fica para a próxima.

No próximo post seguimos mais para Norte da ilha, em San Teodoro.

Standard
Andanças

Itália – Roma

Neste ano o nosso Verão começou na Itália, mais concretamente na “cidade eterna”, a sua milenar capital Roma; foi a primeira etapa desta viagem que tinha como principal objectivo desfrutar da beleza e das praias da ilha da Sardenha, de que vou falar no post seguinte.

Enfatize-se o “Verão” do parágrafo anterior, pois aterramos bem no meio da vaga de calor que atacou o centro da Europa: o termómetro andou sempre à volta dos 36-38 graus (!), o que dificultou um pouco os passeios que tínhamos planeado, mas ainda assim deu para conhecer alguns dos seus pontos principais.

Com esse calor todo, malas e crianças, optamos por apanhar um táxi no aeroporto de Ciampino, e aí tivemos um primeiro impacto negativo: supostamente o serviço de táxis do aeroporto é regulado e controlado, mas deparamo-nos com uma autêntica máfia. Há um preço de tabela de 30€ do aeroporto para o centro, sendo centro tudo o que esteja dentro da muralha aureliana. Ora, o apartamento que alugamos estava claramente no centro, o que era visível em todos os mapas que estavam escarrapachados na praça de táxis, mas os motoristas insistiam que não e que só por 50 nos levavam. Depois de algumas negociatas, lá apanhamos uma que fez o “favor” de nos levar por 40. Va bene. Depois disso, foi sempre pela app do myTaxi (agora FreeNow).

O segundo impacto já foi melhor, porque o apartamento era impecável, e inserido num bairro (Testaccio) bem localizado e bastante típico, ainda pouco “turistizado”, próximo q.b. de um metro (Pirâmide, onde está a pirâmide/túmulo de Caio Céstio), com um excelente mercado local e com o mais badalado bairro de Trastevere logo a seguir ao rio.

Infelizmente não conseguimos ver o Vaticano, porque no dia em que planeamos fazê-lo havia bastante disrupção devido a uma greve dos transportes. O Metro de Roma é barato e, apesar de ter apenas 3 linhas, prático q.b. (100 minutos por 1.5€, gratuito para a criançada com menos de 10 anos), mas tanto o metro quanto as estações estão (em geral) bastante mal-cuidados e são um verdadeiro buraco sufocante quando está calor.

Vimos o colosseo só de fora, porque as filas para entrar eram intermináveis e estavam paradas; a entrada é controlada e nos altifalantes era anunciado que ainda ia demorar algumas horas, incomportáveis com os tais quase quarenta graus de temperatura. Para furar a fila com um guia tínhamos que deixar lá um rim, portanto ficou para a próxima. Mesmo de fora, dá para ficar arrebatado com a imponência da obra.

Algo que ainda assim ajudou muito a suportar as caminhadas que fomos fazendo são as 2554 (!) fontes de água potável que a cidade tem, resistentes do tempo do Império, com água fresca sempre a correr para beber ou molhar carecas suadas como a minha.

Passados dois dias, saímos de lá com sentimentos mistos.

De positivo:

  • As partes históricas (Coliseu, Panteão, Fórum Romano, a mais “recente” Piazza di Spagna e os Spanish Steps), além de muito bem conservadas, impressionam
  • Autenticidade dos bairros e dos romanos, em grande parte fiéis aos estereótipos (ex. falar alto e com as mãos)
  • Esperava que fosse só fama, mas os gelatos são mesmo espectaculares, em todo o lado, não comi um único gelado ruim!

De negativo:

  • As greves e confusões nos transportes que apanhamos, mas deu para nos sentirmos em casa 🙂
  • Sobrelotação de turistas, mas está na época
  • Sujeira em geral da cidade, miséria (muita, muita mendicidade)

Fica o compromisso de ver tudo com mais calma num Inverno futuro, até porque atiramos todos a moedinha na Fontana di Trevi, o que significa que lá teremos de voltar.

Standard