Andanças

Grécia – Santorini

Ao contrário de Naxos, de Santorini já tinha ouvido falar bastante e tinha definido como paragem obrigatória nesta passagem pela Grécia; há uns anos atrás trabalhei com um grego que me disse que se tivesse que escolher uma das “suas” ilhas para visitar que fosse esta. Assim o fizemos e não nos arrependemos: por mais turística e repleta de gente que esteja (que até nem foi o caso nesta altura), a ilha da Santa Irini é de uma beleza absolutamente arrebatadora, desde o primeiro momento em que lhe deitamos a vista.

O porto de Athinios (onde atracam os serviços de ferries) dá logo uma bela impressão do que virá a ser o resto: um pedacinho de asfalto encrustado num declive muito íngreme de rocha vulcânica cheia de cores (como em boa parte da ilha), de onde saímos após uma subida alucinante, cheia de curvas e contra-curvas e rasgos de belíssimos panoramas marítimos. Chegamos até ele através da Blue Star Ferries, depois da Hellenic Seaways ter dado banhada e cancelado os barcos em que era suposto chegarmos e partirmos.

Fora esta, qualquer viagem que se faça nesta ilha é uma oportunidade para ficar de boca aberta com os imensos pontos perfeitos para as fotografias: quando achamos que encontramos a melhor vista, andamos mais 20 minutos e já estamos em outra ainda melhor. Não há como não destacar Oia, sendo que fotos e palavras não chegam para descrever o quanto me surpreendi com esta vila: ia com um certo preconceito por achar que era um local muito “retocado” e demasiado polido para turista ver, mas é sem dúvida um dos locais mais bonitos onde já estive. Nota negativa apenas para a exploração que é feita aos burros: é uma atrocidade os animais passarem o dia a carregar turistas (e a levar paulada dos donos) por uma imensidão de escadas, apenas por graça, pois existem alternativas  (teleférico, carro… caminhadas!).

Optamos por ficar em Kamari, lugar de praia (de calhau, mas de água boa), próximo do aeroporto, bastante plano e com tudo ao pé. Ficamos no ApartHotel Zacharakis Studios, que seguia bastante a onda de hotel familiar do anterior, com um dono muito conversador e extremamente prestável.

Tivemos uma sorte mista com o clima nos dias em que lá estivemos: se por um lado não ter estado demasiado calor permitiu-nos não sofrer muito nos passeios que fizemos, ter havido chuva a sério e bastante vento no seguimento em um dos dias levou-nos a pensar que um dos nossos planos sairia frustrado: o de fazer um tour de barco pela ilha e pelo vulcão vizinho.

Felizmente a coisa melhorou e no nosso último dia tivemos direito a isso: os tours de barco não são propriamente baratos, mas valem muito a pena: temos perspectivas espectaculares da ilha, ficamos a conhecer melhor a sua história, paramos nos melhores (e mais isolados) sítios para saltar do barco e nadar e tipicamente incluem uma refeição preparada pela tripulação (o típico churrasco de souvlakis/espetadas e saladas, que cai sempre bem). Estivemos mesmo, mesmo para marcar com antecedência no getyourguide.com, mas o meu instinto levou-me a arriscar e marcar por lá e deu certo; saiu-nos por quase metade do preço (a tal lábia do dono do hotel levou-o a convencê-los a não cobrar nada pelas crianças quando ligou a fazer a marcação) um tour semi-privado (10 pessoas a bordo).

Por ser um local mais turístico, devo dizer que não comemos tão bem nesta ilha, mas há um sítio em Kamari que segue o conceito de Mezze (basicamente tapas/petiscos gregos) de uma forma espectacular: chama-se Pinakio, e garantam que façam uma reserva no dia anterior, porque à primeira tentativa batemos com a porta na cara. Bons petiscos, muito boa onda.

O regresso para Atenas teve que ser de avião, na Sky Express, num bi-motor ATR42. Combinando a confusão no aeroporto de Santorini (que é pouco mais do que um barracão), o atraso que o voo teve, a proximidade com a partida do voo de Atenas para Lisboa, o porte do avião e o vento que estava resultaram numa experiência… diferente e no mínimo interessante, para ter mais algo para contar, mas a bem do vosso coração, recomendo que marquem um barquinho e que seja com uma folga maior.

Standard

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *