Andanças

Itália – Sardenha – San Teodoro

De Villasimius até San Teodoro, no noroeste da ilha e bem próximo à famosa Olbia, ainda são 250km de distância e mais ou menos 3h de caminho, porque parte dele não é em auto-estrada, mas em sobe e desce, e em curvas e contra-curvas. A vantagem é a beleza própria das inúmeras verdes serras que vamos cruzando, a desvantagem o enjoo dos co-pilotos familiares. Tudo superável.

Pelo caminho afora fomos confirmando algo que já tínhamos sentido no sul: a quantidade abismal de borboletas que há em toda a ilha. Nunca vi tanta borboleta na minha vida. Espectacular.

Falando em natureza,também nunca tinha visto toda uma região com uma preocupação ambiental tão forte: em todos os sítios por onde passamos, havia imensos eco-pontos, avisos para separação e respectivas multas, sacos bio-degradáveis para o lixo orgânico (devem ser obrigatórios por lei, porque qualquer tasco de vão de escada tinha), impecável.

Como saímos cedo de Villasimius e o check-in em San Teodoro era só a partir das 15, e queríamos explorar o máximo de locais (e praias) possíveis, decidimos parar para refrescar mais ou menos a meio, numa praia em Bari Sardo. O caminho até lá foi tortuoso, e fez-nos questionar várias vezes se estávamos realmente em algum lugar “civilizado”, mas valeu absolutamente a pena, porque culminou numa praia gratuita (grande parte dos estacionamentos das praias famosas são pagos, ainda que com valores acessíveis), calma e, mais uma vez, com uma água espectacular.

À imagem de Villasimius, San Teodoro é mais um vilarejo simpático com bastante escolha de praias, sendo a mais famosa a Spiaggia La Cinta, bela, extensa, mas também a mais povoada que encontramos na ilha, e a única em que tivemos que andar um bom bocado até conseguirmos estender a nossa toalha.

Seguindo a mesma receita de Villasimius, encontramos outra vila bem organizada em que as principais vias são cortadas ao trânsito à noite, sendo que aqui havia uma escolha ainda maior de restaurantes, bares e feiras de artesanato e de “variedades”. Foi também o único sítio em que comemos todas as noites no mesmo restaurante, Il Mangiatutto, de tanto que gostamos da qualidade face ao preço, e da simpatia do pessoal; pizzas, massas, peixe, marisco, tudo delicioso, e para finalizar em grande e vincar na memória de vez, a Carolina deixou lá o seu segundo dente de leite, o que gerou uma festa imensa dos funcionários e dos comensais em geral!

Mais uma vez, partimos com o amargo de boca de não ter tido nem sinal de flamingos. Fica pra pensar. A próxima e última paragem nesta ilha foi a belíssima cidade histórica de Alghero.

Standard
Andanças

Itália – Sardenha – Villasimius

Depois de uns dias intensos em Roma, partimos num voo nocturno para Cagliari em busca de momentos mais relaxantes; Cagliari é a capital da Sardenha e possui um dos 3 aeroportos da ilha, e a nossa ideia foi partir dali e dar mais ou menos a volta, ficando 2 ou 3 dias em cada sítio.

Como tivemos que largar o apartamento de Roma cedo e o voo era só à noite, deixamos as bagagens nos cacifos automáticos da Stow Your Bags, próximos da centralíssima estação Termini. O serviço é muito prático e com um preço bem acessível comparado com o oferecido pela maioria destes prestadores, que optam muitas vezes por cobrar por item; aqui é enfiar tudo o que couber nos cacifos pelo mesmo preço (e cabe lá muita coisa, são gigantes).

Ainda ponderamos fazer uma viagem de ferry, mas os voos eram tão rápidos e acessíveis (menos de uma hora, cerca de 100 euros para os 4) que rapidamente abandonamos a ideia. Ainda que curta, a viagem acabou por ser meio atribulada, porque partimos com algum atraso e o piloto resolveu dar uma de acelera para compensar.

Chegamos à ilha já perto da meia-noite, agarramos no carro e pernoitamos num hotel próximo do aeroporto, para não fazer uma viagem longa às tantas da madrugada (de Cagliari até Villasimius ainda é cerca de 1h de caminho).

Na manhã seguinte a ideia era conhecer Cagliari e seguir caminho, mas a ressaca de refrescar era tanta que só conhecemos mesmo Poetto, a principal praia da capital, que se estende por cerca de 8 km e que é um bom cartão de visita do que valem as praias da ilha: temperatura à volta dos 24ºC, aquele azul clarinho maravilhoso e uma vista incrível das colinas que a rodeiam.

Depois de refrescar e abastecer partimos então para Villasimius, que excedeu em tudo as nossas expectativas. Começou pelo alojamento, o apart-hotel Residence Fenicia. Aquilo que pagamos em comparação a outras opções que tínhamos visto não fazia antever que era um local tão incrível, dos melhores onde já tivemos o privilégio de estar; vista espectacular, staff familiar, e acesso directo e privilegiado para a praia de Simius, que é simplesmente magnífica, e extensa o suficiente para estarmos completamente à vontade.

A vila de Villasimius também é bastante simpática, sendo que à noite as vias principais são interditas ao trânsito automóvel (um padrão que vimos repetido pela ilha fora) e há bastante comércio, restauração e movimento em geral.

Apanhamos uma ligeira desilusão com os famosos flamingos, dado que… não vimos nenhum. São um dos símbolos mais falados da ilha e estávamos supostamente num local e época privilegiados para conhecê-los, mas ou esconderam-se bem ou também tiveram uns voos atrasados. Fica para a próxima.

No próximo post seguimos mais para Norte da ilha, em San Teodoro.

Standard
Andanças

Itália – Roma

Neste ano o nosso Verão começou na Itália, mais concretamente na “cidade eterna”, a sua milenar capital Roma; foi a primeira etapa desta viagem que tinha como principal objectivo desfrutar da beleza e das praias da ilha da Sardenha, de que vou falar no post seguinte.

Enfatize-se o “Verão” do parágrafo anterior, pois aterramos bem no meio da vaga de calor que atacou o centro da Europa: o termómetro andou sempre à volta dos 36-38 graus (!), o que dificultou um pouco os passeios que tínhamos planeado, mas ainda assim deu para conhecer alguns dos seus pontos principais.

Com esse calor todo, malas e crianças, optamos por apanhar um táxi no aeroporto de Ciampino, e aí tivemos um primeiro impacto negativo: supostamente o serviço de táxis do aeroporto é regulado e controlado, mas deparamo-nos com uma autêntica máfia. Há um preço de tabela de 30€ do aeroporto para o centro, sendo centro tudo o que esteja dentro da muralha aureliana. Ora, o apartamento que alugamos estava claramente no centro, o que era visível em todos os mapas que estavam escarrapachados na praça de táxis, mas os motoristas insistiam que não e que só por 50 nos levavam. Depois de algumas negociatas, lá apanhamos uma que fez o “favor” de nos levar por 40. Va bene. Depois disso, foi sempre pela app do myTaxi (agora FreeNow).

O segundo impacto já foi melhor, porque o apartamento era impecável, e inserido num bairro (Testaccio) bem localizado e bastante típico, ainda pouco “turistizado”, próximo q.b. de um metro (Pirâmide, onde está a pirâmide/túmulo de Caio Céstio), com um excelente mercado local e com o mais badalado bairro de Trastevere logo a seguir ao rio.

Infelizmente não conseguimos ver o Vaticano, porque no dia em que planeamos fazê-lo havia bastante disrupção devido a uma greve dos transportes. O Metro de Roma é barato e, apesar de ter apenas 3 linhas, prático q.b. (100 minutos por 1.5€, gratuito para a criançada com menos de 10 anos), mas tanto o metro quanto as estações estão (em geral) bastante mal-cuidados e são um verdadeiro buraco sufocante quando está calor.

Vimos o colosseo só de fora, porque as filas para entrar eram intermináveis e estavam paradas; a entrada é controlada e nos altifalantes era anunciado que ainda ia demorar algumas horas, incomportáveis com os tais quase quarenta graus de temperatura. Para furar a fila com um guia tínhamos que deixar lá um rim, portanto ficou para a próxima. Mesmo de fora, dá para ficar arrebatado com a imponência da obra.

Algo que ainda assim ajudou muito a suportar as caminhadas que fomos fazendo são as 2554 (!) fontes de água potável que a cidade tem, resistentes do tempo do Império, com água fresca sempre a correr para beber ou molhar carecas suadas como a minha.

Passados dois dias, saímos de lá com sentimentos mistos.

De positivo:

  • As partes históricas (Coliseu, Panteão, Fórum Romano, a mais “recente” Piazza di Spagna e os Spanish Steps), além de muito bem conservadas, impressionam
  • Autenticidade dos bairros e dos romanos, em grande parte fiéis aos estereótipos (ex. falar alto e com as mãos)
  • Esperava que fosse só fama, mas os gelatos são mesmo espectaculares, em todo o lado, não comi um único gelado ruim!

De negativo:

  • As greves e confusões nos transportes que apanhamos, mas deu para nos sentirmos em casa 🙂
  • Sobrelotação de turistas, mas está na época
  • Sujeira em geral da cidade, miséria (muita, muita mendicidade)

Fica o compromisso de ver tudo com mais calma num Inverno futuro, até porque atiramos todos a moedinha na Fontana di Trevi, o que significa que lá teremos de voltar.

Standard
Andanças

Munich

Nos últimos meses fui a Munique duas vezes, em trabalho (a sede da Sky Germany fica em Unterföhring), mas como é habitual neste tipo de viagens, tipicamente estou lá por períodos de um ou dois dias e não se propiciam grandes passeios.

Na primeira viagem, a única coisa que consegui foi ir até à Marienplatz, a praça principal da cidade, ver o mercado de Natal… a fechar (por lá tudo fecha muito cedo), e comer o famoso Schweinshaxe, um joelho (ou uma junta, sei lá) de porco. Gostei bastante, não tão exótico quanto a descrição possa fazer parecer, é um pedaço de porco assado durante algumas horas, com uma crosta bem crocante e um interior semelhante ao “nosso” leitão.

Joelho de Porco @ Haxnbauer

Na segunda viagem fui com um colega mais “batido” por aquelas bandas e já conseguimos fazer um roteiro bem interessante; primeiro jantamos com um colega alemão num local bem típico e menos tourist-trap que o anterior, a Gasthaus Weinbauer; comemos um Kaiser Schnitzel, que é essencialmente um panado, mas sem dúvida o melhor panado que já comi. Nunca percebi bem a pancada de ter um panado como o prato típico (porque, lá está, um panado… é um panado), mas este tinha uma crosta de Pretzels e um molho de mostarda doce que o tornavam bem interessante.

Terminamos esse jantar com um Schnapps de avelã, com os corpos servidos nos cornos de um veado. Pode parecer meio cruel, mas aprendi também nessa noite que os cornos caem naturalmente de ano para ano e são o tecido que cresce mais rápido no reino animal (novo passatempo: naveguem nos vídeos de crescimento de cornos de veado no youtube e contemplem.)

De seguida, partimos de outra praça famosa, a Odeonsplatz, de onde arrancou o Beer Hall Putsch, a primeira tentativa de golpe de estado por parte do Hitler; no seguimento do fracasso alguns dos seus partidários foram mortos e outros presos, incluindo ele próprio. Nessa estadia na prisão ele escreveu o Mein Kampf, saiu por bom comportamento em 9 meses e decidiu enveredar pela via democrática em vez da luta armada. O resto é história.

Por fim, terminamos a noite na Hofbräuhaus, uma cervejaria com um historial tremendo, fundada em 1589 e que, apesar de notoriamente “turistizada”, tenta ser um ex-libris da tradição bávara, com comida típica da Baviera, banda ao vivo a tocar música tradicional durante todo o dia e, acima de tudo, não sei se servem outros tamanhos, mas só vi canecas de cerveja de 1 Litro (e uma imensidão de turistas arruinados). Fora isto, é tão somente também o local onde se realizou a primeira reunião do partido Nazi, numa sala meio escondida no terceiro andar da cervejaria. Não é propriamente escondida, mas não é algo que seja publicitado.

Costumo abstrair-me um bocado do que se passou, mas confesso que desta vez causou-me um certo arrepio estar nestes locais e visualizar o tipo de coisas que ali se passou.

A explorar mais, em ocasiões futuras.

Standard
Cinemadas

Glass

As expectativas para este filme estavam muito altas: Unbreakable está há vários anos no meu imaginário e a surpresa com que o seus protagonistas regressaram (acho que não vale a pena fazer spoiler alert quase 2 anos depois) tornou Split num dos meus filmes preferidos de 2017.

Não desiludiu. Começou tremendamente confuso, com transições muito estranhas e aparentemente disconexas, mas as poucos tudo foi se compondo e interligando e quiçá até tinha sido uma fragmentação intencional a jogar com a temática dos estilhaços de vidro (ou não tem nada a ver mas até parece bem ver por esse prisma).

Entre vários méritos, e sem surpresas grande parte dele vai para os protagonistas, destaco a forma como é feito um filme de super-heróis que não parece sê-lo, dada a relativa plausibilidade da coisa, e a forma como nos vai fazendo questionar tudo e mais alguma coisa ao longo da história, colocando-nos no mesmo estado de espírito e de questionamento dos protagonistas

Não faço ideia se a intenção original do M. Night Shyamalan sempre foi esta, mas é uma verdadeira lição no que diz respeito a como fechar um ciclo e fazer sequelas que valem a pena. Muito curioso para ver o que faz a seguir, e se ganha balanço de vez ou volta a outra travessia do deserto.

Standard
Uncategorized

Photo Ark

Photo Ark é uma exposição National Geographic que mostra como o fotógrafo Joel Sartore se tem dedicado a documentar animais em cativeiro (o “autorizado” e com fins científicos, zoo’s, aquários, institutos, etc) à volta do mundo, há mais de 10 anos. O seu objectivo é mesmo fotografar na totalidade as cerca de 12 mil espécies existentes, promover a sua conservação, alertar para a importância da protecção da biodiversidade e para o facto de que, se nada for feito, mais de metade das espécies animais podem extinguir-se em menos de um século.

Está neste momento e até ao fim de Maio de 2019 na Cordoaria Nacional, em Lisboa, e apesar de pequenina (são cerca de 100 “retratos” animais), vale pelas fotos deslumbrantes e pelo conhecimento e apoio ao projecto (27% do lucro vai directamente para esta missão).

Standard
Leituras

Sou um Crime

Sou um Crime – Nascer e crescer no Apartheid, é a tradução portuguesa (lida aqui na edição da Tinta da China) do primeiro livro do comediante Trevor Noah. Apesar de centrar-se bastante na sua história pessoal, não é bem uma autobiografia, mas antes um relato na primeira pessoa do que significou crescer mulato na África do Sul dos anos 80/90.

O título é literal sem o ser, na medida em que efectivamente o casamento “misto” era crime e punível com pena de prisão, e o nascimento e a cor de pele de Trevor eram a prova cabal do crime consumado pelo seu pai branco e a sua mãe preta.

Nele aprendemos imenso sobre o absurdo que era o regime do apartheid , desmontado aqui com essa arma tremendamente poderosa que é o humor, que ao ridicularizar o tema torna leve a leitura do seu rol de atrocidades, sem nunca perder o tom mordaz e desafiador, não só em relação ao passado quanto a muito do que ainda se passa hoje em dia pelo mundo no que diz respeito às desigualdades sociais.

Fácil e divertido de ler, é também de salientar a verdadeira e sentida ode que o livro é à sua mãe, Patricia Noah, uma mulher tremendamente à frente do seu tempo e espaço, e talvez a grande responsável pela sua mentalidade de desafio (e por estar onde está).


Standard
Leituras

O Anjo Pornográfico

Até hoje a melhor biografia que já havia lido tinha sido O Mago, sobre a atribulada vida do Paulo Coelho pré-escritor-rockstar (incrível ter sido há 10 anos atrás e ainda ter a história tão vincada na minha cabeça…); esta biografia sobre o jornalista, escritor, dramaturgo e polémico reaccionário em geral Nélson Rodrigues rebentou completamente com essa escala.

Fora algumas leituras soltas de artigos curiosos, não era minimamente conhecedor da genial obra do biografado em questão, mas tinha ouvido falar muito bem dos trabalhos do biógrafo Ruy Castro e aproveitei uma promoção da editora Tinta da China (muito boas campanhas online ultimamente) para obter um dos seus mais aclamados livros.

Não fazia então a menor ideia do quão mirabolante era a história não só de Mário quanto de toda a família Rodrigues, que se confunde com as histórias do Rio de Janeiro do século passado, da imprensa criminal e desportiva (um dos seus 12 irmãos, Mário Filho, é tão somente o homem que dá nome ao mítico estádio Maracanã) e do teatro brasileiro.

A obra vale tanto pelo minucioso relato de toda a jornada pessoal e familiar de Mário, com inúmeros dramas, romances, polémicas e reviravoltas que superam qualquer ficção, e que espantam não só pela peculiaridade do seu trajecto, quanto pelo estilo brilhante com que é contada; apesar de factual e baseado em centenas de entrevistas, é quase romanceado, pecando com isso por vezes por uma certa aura de parcialidade e de foco no ponto de vista do narrador e não dos visados, mas que de qualquer das formas me conquistou completamente.

Todas as restantes biografias passaram a estar na minha lista, e fico também com a esperança de que alguma companhia ouse re-encenar alguma das peças (outrora malditas e repletas de incesto e sangue) do autor.

Standard
Uncategorized

Rafael Portugal – Eu Comigo Mesmo

Eu sou um consumidor ávido de stand-up comedy, mas ainda não tinha parado para pensar que nunca tinha visto nenhum espectáculo do género ao vivo. Posto isso, não podia perder a oportunidade de assistir à vinda do Rafael Portugal a Lisboa; um pouco pela “saturação” com os restantes, mas muito por mérito próprio e pelo estilo, o Rafael é neste momento o meu actor preferido do colectivo Porta dos Fundos (e do A Culpa é do Cabral).

Foi no Cinema São Jorge, sala bem apropriada para algo do género mas cuja produção teve um início meio atribulado, com algum tempo perdido até sair um som decente dos altifalantes. Nota-se que já deve ser coisa corriqueira para a experiência dele, que foi usando uma situação aparentemente tensa para fazer mais humor e prosseguir mesmo sem microfone e aos berros com a sala toda.

Ultrapassada essa questão, o espectáculo não desaponta e ele é ainda mais hilariante ao vivo e sem rede, havendo apenas três coisinhas a apontar:

  • Apesar do esforço para explicar e “traduzir” as estórias para Português de Portugal, me deu a sensação de que nem sempre era fácil compreender para quem não tivesse o contexto brasileiro (ou carioca) e houveram bastantes momentos em que os portugueses ficaram Lost in Translation.
  • Uma hora sabe a pouco, para o público, mas se pararmos para pensar bem no ritmo e a sofreguidão com que ele dispara, é compreensível que seja humanamente difícil manter o fôlego, portanto está perdoado.
  • Estava expectante para ver se incluía um segmento do estilo música com convidado do público (que não eu), mas não aconteceu, era bem mais interessante que as músicas “normais” que ele toca no fim.

Acredito que ele regresse novamente a Portugal, portanto fiquem atentos, que recomendo.

Standard
Uncategorized

Os meus filmes de 2018

Estou vivo! Com um atraso para lá de considerável e seguindo a tradição ancestral iniciada o ano passado, a lista de filmes que me conquistaram no ano que findou, sem ordem particular.

Roma

Ok, este está numa ordem particular e propositadamente em primeiro. Este filme é absolutamente arrebetador, surpreendente, diferente de tudo aquilo que vi durante o ano, e comodamente disponível no Netflix.

Roma não tem nada a ver com a capital italiana, mas sim com um bairro mexicano dos anos 70, onde observamos o quotidiano de uma família de classe média alta pelos olhos da sua criada Cleo. Tanta a sua vida quanto a da família para a qual trabalha vão sofrendo uma série de reviravoltas, que não teriam nada de extraordinário não fosse a absoluta mestria, simplicidade e beleza cinematográfica com que estas são filmadas. É-me difícil explicar isso por palavras, mas poucas vezes senti um filme que tivesse conseguido ser tão pungente com tão pouco.

Esse menino Alfonso Cuáron que se deixa de blockbusters de Hollywood e que faça mais disto, que é uma autêntica obra-prima.

Bohemian Rhapsody

Demorei muito para ir ver este filme porque não tinha lido nada de bom sobre ele em tudo o que eram críticas, mas isso serviu para me relembrar a inutilidade das críticas especializadas de cinema (no que diz respeito à formatação do gosto individual de cada um, obviamente).

Rami Malek merece todos os elogios e mais alguns pela sua performance como Freddy Mercury, em crescendo e culminando no afamado concerto do Live Aid, no antigo estádio de Wembley; arrepiante a forma como ele se transformou e encarnou um dos performers mais poderosos de sempre.

É notória a forma como o filme endeuza em demasia o personagem e seus companheiros de banda, e embeleza a história cortando a eito e em grande as partes mais sujas? É. É deliberadamente feito para vender e para se fazer a prémios? É. Mas que se foda, todos os filmes para entreter tivessem esta força.

A Star is Born

Depois de um início de carreira “manhoso”, o Bradley Cooper tem estado mais ou menos lentamente a afirmar-se como um grande actor, e este filme é mais uma prova disso, aqui com o bónus acrescido de ter sido também o realizador.

A Lady Gaga também esteve bastante bem e os dois tiveram aqui uma química incrível, mas se é para ela que os holofotes estão virados, é ele que carrega o filme. É um bocado batota fazer esse brilharete enquanto bêbado e drogado quando já se foi um, mas não lhe tira o mérito, de todo.

Excelente drama de puxar a lágrima, musiquinhas que ficam no ouvido, uma excelente tarde de cinema com quem se ama.

Incredibles 2

Por razões óbvias consumo muitos filmes de animação hoje em dia, mas verdade seja dita que também uso os miúdos como desculpa e que grande parte provavelmente veria na mesma; este é sem dúvidas um deles.

O primeiro filme tem um lugar especial no meu coração, e tinha que tirar a limpo se tantos anos depois e com tantos maus exemplos este lhe faria jus ou não, e saí do cinema bastante satisfeito, a Pixar ultimamente não tem falhado. A fórmula é super-batida, os super-heróis ostracizados, o drama familiar, o regresso glorioso (isto não chega a ser spoiler…), mas está tudo no sítio.

Comédia na boa, bastantes gags que só os adultos percebem, pertinentes observações sociais (ex. igualdade de género, parecer versus ser) e o bebé a roubar completamente a cena tornaram este filme um dos meus preferidos do ano passado, e quiçá tenha até suplantado o primeiro.

BLACKkKLANSMAN

Sou fanzaço do Spike Lee. Por vezes me chateia que a sua filmografia seja tão inconstante, alternando coisas boas com muita porcaria pelo meio, mas parte disso também se explica pela sua coerência e independência; ele é bastante fiel aos temas e ao seu estilo, e parece preocupar-se mais com isso do que com o sucesso comercial, o que é de louvar (umm lembrei-me do remake manhoso do Oldboy, mas um homem tem que pagar as contas).

Neste Spike Lee joint ele acerta em cheio na fórmula. O primeiro polícia negro de Colorado Springs tem a audaciosa ideia de infiltrar-se no Ku Klux Klan local, e o resto é história. Um filme de outro tempo, filmado com um ritmo “à antiga” mas com uma série de paralelos e provocações com a nossa actual era, alternando entre a comédia e a tensão com grande estilo.

Uma nota interessante da qual não me tinha apercebido: o protagonista é filho do Denzel Washington, aparentemente the apple didn’t fall far from the tree.

Outra nota interessante: para os fãs de The Wire, tem um gostinho especial ouvir certo personagem a repetir uma certa interjeição.

Standard